EUA registram recorde de candidatas negras para eleições de novembro

Além da presença em alta nas listas eleitorais, a estratégia política dessas candidatas vem mudando

Protestos antirracistas nos EUA. Foto: AFP

Protestos antirracistas nos EUA. Foto: AFP

Mundo

Em um ano marcado por protestos antirracismo, os Estados Unidos se preparam para o que pode ser uma revolução silenciosa. Segundo um estudo divulgado pelo Center for American Women and Politics (CAWP, na sigla em inglês), as eleições de novembro serão marcadas por uma alta recorde no número de candidatas negras para os cargos no Congresso.

Desde 2018, durante as eleições legislativas de meio de mandato (as “midterms”), os Estados Unidos vinham assistindo a uma mudança nas listas eleitorais. Naquele ano, o número de mulheres que se candidataram ao Congresso dobrou em relação a 2016.

 

Agora, a mudança é também étnica e racial. Se nas eleições de 2012 as candidatas afrodescendentes e mestiças eram apenas 48, este ano, 122 mulheres concorrem a uma cadeira na Câmara dos representantes ou no Senado, constata o CAWP, organismo especializado nesse tipo de estatística.

As mulheres negras representam atualmente 8% da população americana. No entanto, elas são apenas 4,3% entre as eleitas no Congresso, seja como senadoras ou representantes (equivalente de deputadas).

Mulheres negras poderosas

“Os eleitores estão se sentindo mais confortáveis ​​em ver diferentes tipos de pessoas no Congresso. Você não sabe como é ter mulheres negras poderosas no Congresso até ver mulheres negras poderosas no Congresso”, disse Pam Keith, veterana e advogada da Marinha, que está concorrendo nas primárias democratas para um assento no congresso na Flórida.

Além da presença em alta nas listas eleitorais, a estratégia política dessas candidatas vem mudando. Historicamente, as mulheres negras concorriam apenas em regiões de maioria negra. Mas este ano, muitas delas tentam se eleger em zonas eleitorais de maioria branca e mista, inclusive em bastiões dos Republicanos.

Se as afro-americanas tentam cada vez mais se eleger nos Estados Unidos, elas também estão entre as mais participativas nos pleitos, como eleitoras. Entre todos os grupos de votantes, elas são as mais ativas, já que 68,1% foram às urnas na corrida presidencial de 2008 e 70,1% cumpriram seu dever cívico em 2012, dois pleitos vencidos pelo democrata Barack Obama. Mas em 2016, quando Donald Trump foi eleito, a participação das mulheres negras registrou um recuo (63,7%).

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem