EUA: pandemia monopoliza reta final da campanha

Com o número de casos batendo novos recordes, coronavírus se tornou um dos principais temas entre Joe Biden e Trump antes do pleito no país

Biden e Trump. Foto: Jim Watson, Brendan Smialowski/AFP

Biden e Trump. Foto: Jim Watson, Brendan Smialowski/AFP

Mundo

A três dias das eleições, Trump e Biden tentam conquistar os eleitores do Meio Oeste dos Estados Unidos, onde os casos de Covid-19 explodiram nos últimos dias, colocando a região na chamada “zona vermelha”, sinônimo de alerta máximo.

 

 

 

A pandemia de coronavírus monopoliza discursos dos dois candidatos e acirra os últimos dias de campanha eleitoral. Em um comício na sexta-feira, 30, em Michigan, Trump não poupou críticas à classe médica, sucistando uma forte polêmica.

Segundo o republicano, os médicos se aproveitam da pandemia porque ganham mais dinheiro quando declaram as mortes por Covid-19. A acusação, considerada sem fundamento, irritou profundamente os profissionais de saúde do país. Trump, que chegou a tirar sarro de um aliado que estava usando máscara, insiste que a doença não é tão séria como os especialista dizem.

Já Biden adota uma estratégia totalmente oposta. Em um discurso em Iowa, o democrata lembrou que o avanço da epidemia cancelou, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, uma importante feira no estado. O democrata pediu ainda que Trump pare de atacar os trabalhadores da saúde que estão na linha de frente na luta contra a Covid-19.

 

Conservadores contra as medidas sanitárias

Em mais um sinal de que a pandemia está no foco central nesta reta final de campanha e não apenas nos palanques, grupos conservadores estão contestando na justiça medidas de restrições sanitárias. Em Minnesota, uma ação pede que a Suprema Corte reverta a decisão do governo do estado que obriga os moradores a usarem máscaras em locais públicos neste período de votação.

Na sexta-feira, 30, os Estados Unidos registraram mais de 94 mil novos casos de coronavírus em 24 horas, o número mais alto desde o início da pandemia, segundo a Universidade Johns Hopkins. O balanço aponta ainda para 919 óbitos em 24 horas, elevando o total de mortos pela doença a 229.544.

A pandemia deve continuar monopolizando a campanha eleitoral nos Estados Unidos. Neste sábado (31), o ex-presidente Barack Obama sobe aos palanques ao lado de Biden, no estado do Michigan. Essa será a primeira aparição pública do ex-presidente americano em apoio ao candidato que foi seu braço direito durante oito anos na Casa Branca. O cantor Stevie Wonder será um convidado especial no evento.

Já Donald Trump estará na Pensilvânia, onde vai realizar três comícios. Em 2016, ele foi vencedor neste Estado, mas agora é Biden quem está sete pontos a frente nas pesquisas de intenção de voto na Pensilvânia.

Na média nacional, o republicano está atrás do ex-vice-presidente por oito pontos. No entanto, a disputa será definida com a conquista de eleitores em alguns estados onde a margem é muito menor.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem