Mundo

EUA matam dois alvos importantes do EI no Afeganistão, onde retiradas estão perto do fim

Depois do ataque em Cabul, a crise mais grave da Presidência de Joe Biden, o presidente americano prometeu represálias

Afegãos sobem em um avião em Cabul. Milhares se aglomeraram no aeroporto da cidade tentando fugir do Talibã (Foto: Wakil Kohsar / AFP)
Afegãos sobem em um avião em Cabul. Milhares se aglomeraram no aeroporto da cidade tentando fugir do Talibã (Foto: Wakil Kohsar / AFP)
Apoie Siga-nos no

Os Estados Unidos mataram neste sábado, 28, dois alvos importantes do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no Afeganistão em ataque com um drone, apenas dois dias depois do sangrento atentado em Cabul, enquanto no aeroporto as retiradas se aproximam do fim.

“Posso confirmar que dois alvos importantes do EI morreram e outro ficou ferido” no ataque lançado no sábado de fora do Afeganistão, disse o general americano Hank Taylor.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, se negou a explicar se os alvos do ataque estiveram envolvidos diretamente no atentado de quinta-feira no aeroporto, que deixou mais de cem mortos, inclusive 13 militares americanos.

“São organizadores e operadores do EI-K, essa é razão suficiente”, respondeu o porta-voz em coletiva de imprensa.

Este atentado foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico no Khorasan (EI-K), braço da organização que opera no Afeganistão e no Paquistão.

Depois do ataque em Cabul, a crise mais grave da Presidência de Joe Biden, o presidente americano prometeu represálias.

O ataque foi o golpe mais mortal contra o exército americano no Afeganistão desde 2011.

O risco de atentados persiste, segundo Washington. “Ainda acreditamos haver ameaças específicas e confiáveis”, advertiu Kirby na sexta.

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, informou que outro ataque é “provável” e que os próximos dias serão “o período mais perigoso até hoje”.

Controle do aeroporto

Várias mensagens contraditórias de talebans e americanos acentuaram a tensão até a data limite de 31 de agosto, prevista para encerrar a retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão após 20 anos de guerra.

Por meio de seu porta-voz, Bilal Karimi, os talebans reivindicaram o controle de “três importantes setores da parte militar do aeroporto” de Cabul.

Pouco depois, o porta-voz do Pentágono negou que os talebans estivessem “a cargo de nenhum de seus portões”, nem “nenhuma das operações do aeroporto”.

A incógnita persiste sobre como os últimos candidatos à retirada de Cabul vão sair.

“Temos listas dos americanos (…) Se seu nome está na lista, pode atravessar” os postos de controle até o aeroporto, afirmou um encarregado taleban à AFP perto do terminal de passageiros.

Os voos de repatriação fretados pelas potências ocidentais retomaram sua atividade, embora segundo o chefe das forças armadas britânicas, o general Nick Carter, restem muito poucos voos.

A Grã-Bretanha concluiu suas operações aéreas neste sábado. Em terra ficarão 150 britânicos e entre 800 e 1.000 afegãos, explicou o general, que reconheceu que esta decisão é “dolorosa”.

A França já iniciou contatos com o Catar, que mantém canais de comunicação com os talebans, para prosseguir com as retiradas após 31 de agosto, informou o presidente Emmanuel Macron durante uma conferência no Iraque.

A chanceler alemã, Angela Merkel, conversou com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o holandês, Mark Rutte, para analisar os próximos passos das retiradas.

No aeroporto de Cabul ainda há cerca de 5.400 pessoas esperando para embarcar em um avião, disse o general americano Hank Taylor, destacando que as retiradas serão mantidas “até o último momento”.

Quase 112.000 pessoas foram evacuadas desde 14 de agosto, véspera da entrada dos talebans em Cabul, segundo os números mais recentes do governo americano.

“Direto inato” de trabalhar

Após sua volta ao poder, os talebans tentam transmitir uma imagem de abertura e moderação. Mas muitos afegãos temem uma repetição do regime fundamentalista e brutal que impuseram entre 1996 e 2001.

Há um temor especial pela situação das mulheres, que sob o regime anterior não podiam nem trabalhar, nem estudar.

Na tentativa de aplacar este temor, um representante taleban assegurou que as mulheres têm o “direito inato” de trabalhar.

“Podem trabalhar, podem estudar, podem participar da política e fazer negócios”, assegurou Sher Mohammad Abbas Stanikzai, que foi negociador dos islamitas nos frustrados diálogos de paz de Doha.

Os que conseguiram fugir têm uma visão diferente.

“Meu marido trabalhava para a embaixada americana. Eles (os talebans) teriam nos matado se tivéssemos ficado”, explicou em inglês Wazhma à AFP em uma instalação americana nos Emirados Árabes Unidos, horas antes de pegar um avião rumo aos Estados Unidos.

“Fugimos com a roupa do corpo. Nada mais”, afirmou.

Perguntada se alguma vez voltaria ao seu país, Wahzma riu e disse: “Nunca, exceto se os talebans forem embora”.

AFP

AFP Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.