EUA impõem sanção a unidade das Forças Armadas de Cuba por protestos de julho

O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, protestou: 'Rejeito as medidas oportunistas dos EUA'

O presidente Joe Biden. Foto: Brendan Smialowski/AFP

O presidente Joe Biden. Foto: Brendan Smialowski/AFP

Mundo

Os Estados Unidos impuseram novas sanções nesta sexta-feira 13 a altos funcionários cubanos e a uma unidade militar desse país, na mais recente de uma série de ações de resposta à suposta repressão dos manifestantes contra o governo na ilha.

 

 

As sanções do Departamento do Tesouro afetam dois funcionários do Ministério do Interior e a unidade militar conhecida como os “boinas vermelhas”, devido ao seu papel na repressão das recentes e incomuns manifestações no país comunista e que acabaram com centenas de detidos.

“A ação de hoje chama a atenção para outros responsáveis por reprimir os apelos do povo cubano à liberdade e ao respeito dos direitos humanos”, disse Andrea M. Gacki, chefe do Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Tesouro.

Essa é a terceira rodada de sanções dos Estados Unidos. O presidente Joe Biden alertou que vai impor medidas punitivas adicionais se Havana não promover reformas significativas.

O chanceler cubano Bruno Rodríguez rejeitou essas sanções imediatamente.

“Rejeito as medidas oportunistas dos EUA contra funcionários do @minint_cuba e as Tropas de Prevenção das FAR”, disse Rodríguez no Twitter, considerando que essas novas medidas “refletem a moral ambígua de um governo acostumado com a manipulação e a mentira para manter o bloqueio contra” a ilha.

O Tesouro sancionou anteriormente a polícia cubana e prometeu mais ações contra aqueles que “promovem os abusos dos direitos humanos contra manifestantes pacíficos”.

As medidas anunciadas nesta sexta-feira apontam para Romarico Vidal Sotomayor García e Pedro Orlando Martínez Fernández, do Ministério do Interior cubano, assim como para a unidade de boinas vermelhas das Forças Armadas Revolucionárias.

Ao adicioná-los à lista de sanções do Tesouro, as propriedades que tiverem nos Estados Unidos serão congeladas e as transações americanas proibidas.

Sotomayor é o chefe da Direção Política do ministério, que enviou forças contra os protestos que começaram no mês passado. Martínez dirige a Direção Política da Polícia Nacional Revolucionária, que foi sancionada anteriormente junto com as FAR, disse o Tesouro.

As forças de segurança “atacaram violentamente e prenderam manifestantes em toda Cuba“, disse o Tesouro no comunicado.

Biden afirmou que está observando de perto os acontecimentos na ilha, e Washington pediu a liberdade dos manifestantes detidos, enquanto diz que tenta encontrar formas de garantir o acesso à internet ao povo cubano.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem