Mundo

EUA: Homem pega 5 anos de prisão por divulgar documentos fiscais de Trump

Charles Littlejohn, de 38 anos, declarou-se culpado em outubro

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump deixa tribunal em Nova York, em 17 de janeiro de 2024. Foto: Charly Triballeau/AFP
Apoie Siga-nos no

A Justiça dos Estados Unidos condenou, nesta segunda-feira 29, a cinco anos de prisão, um homem que trabalhou para o Serviço de Impostos Internos (IRS, na sigla em inglês) e vazou declarações de impostos do ex-presidente Donald Trump.

Charles Littlejohn, de 38 anos, declarou-se culpado em outubro e a juíza de distrito Ana Reyes impôs hoje a pena máxima de cinco anos de prisão.

Littlejohn foi acusado pela promotoria federal de vazar as declarações fiscais de um “alto funcionário do governo” para um meio de comunicação.

Nem o funcionário, nem o veículo foram identificados oficialmente, mas a imprensa americana informou que as declarações eram de Trump e quem as recebeu foi o jornal The New York Times.

Em setembro de 2020, o diário noticiou que Trump, um bilionário que se recusou a divulgar seus documentos fiscais, pagou apenas 750 dólares de imposto de renda federal em 2016 e 2017 (2.617 e 2,392 reais, nas cotações médias dos respectivos anos), e nada durante dez dos 15 anos anteriores.

Littlejohn também foi acusado de divulgar informações fiscais de milhares de pessoas que estão entra as mais ricas dos Estados Unidos a outro meio de comunicação não identificado.

Acredita-se que esse veículo seja o ProPublica, uma organização jornalística sem fins lucrativos que publicou amplos relatórios em junho de 2021 que chamou de “Os arquivos secretos do IRS”.

Littlejohn “descumpriu sua responsabilidade de proteger informação sensível que lhe foi confiada, e agora é um criminoso convicto”, disse a procuradora-geral adjunta Nicole M. Argentieri.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo