Mundo

EUA declaram emergência sanitária por varíola dos macacos

A medida permite ao governo destinar recursos, coletar dados e mobilizar profissionais adicionais

Trabalhadores da saúde orientam sobre a vacinação contra a varíola dos macacos em West Hollywood, na California. Foto: Mario Tama/Getty Images North America/AFP
Trabalhadores da saúde orientam sobre a vacinação contra a varíola dos macacos em West Hollywood, na California. Foto: Mario Tama/Getty Images North America/AFP
Apoie Siga-nos no

Os Estados Unidos declararam nesta quinta-feira 4 emergência de saúde pública pela varíola dos macacos. A medida permitirá ao governo destinar recursos, coletar dados e mobilizar mais funcionários na luta contra a doença.

“Estamos preparados para elevar a resposta ao vírus a outro patamar e instamos todos os americanos a levarem a sério a varíola dos macacos e a assumirem a responsabilidade de nos ajudar a enfrentá-la”, disse o secretário de Saúde e Serviços Humanos, Xavier Becerra.

Com validade de 90 dias e possibilidade de renovação, a emergência foi declarada no dia em que o país ultrapassou os 6.600 casos, cerca de um quarto deles no estado de Nova York. Especialistas acreditam em uma subnotificação, porque, muitas vezes, os sintomas são brandos, como lesões simples.

Prevenção 

Os Estados Unidos entregaram até agora cerca de 600 mil doses da vacina comercializada como Jynneos na América do Norte (Imvanex na Europa), desenvolvida inicialmente contra a varíola humana. O número é baixo, considerando que cerca de 1,6 milhão de pessoas estão no grupo de alto risco no país.

A próxima entrega, de 150 mil doses, não acontecerá antes de setembro, devido a problemas de logística, indicou um funcionário do alto escalão do Departamento de Saúde.

Cerca de 99% dos casos registrados nos Estados Unidos são de homens que têm relações sexuais com outros homens, informou o Departamento de Saúde na semana passada. Essa é a população prioritária para a vacinação e para as ações preventivas organizadas por autoridades.

Poupar doses

Diferentemente de surtos anteriores na África, o vírus agora é transmitido principalmente por meio da atividade sexual, mas os Centros de Controle e Prevenção de Doenças advertiram que também poderia ser transmitido compartilhando cama, roupas ou por contato próximo prolongado.

Há um número pequeno, mas crescente, de mulheres e crianças que contraíram a doença. Nos Estados Unidos, não houve mortes, mas alguns pacientes tiveram de ser internados por sentirem dor aguda.

No mês passado, a Organização Mundial da Saúde também declarou a varíola dos macacos como emergência sanitária, uma classificação reservada para as doenças mais preocupantes.

Nesta quinta-feira, a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, afirmou que avalia uma autorização para que os profissionais de saúde apliquem cinco doses de vacina em uma única vez, modificando a forma com que ela é inoculada.

Os primeiros sintomas da varíola dos macacos são febre alta, inflamação dos gânglios linfáticos e erupção cutânea semelhante à da varíola.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.