‘Estou emocionada!’, diz primeira francesa a ser vacinada contra a Covid-19

Vários países da União Europeia dão início à campanha de imunização neste fim de semana

Mauricette, primeira francesa a ser vacinada contra a Covid-19. Foto: Thomas SAMSON/AFP

Mauricette, primeira francesa a ser vacinada contra a Covid-19. Foto: Thomas SAMSON/AFP

Mundo,Saúde

Mauricette, de 78 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 na França, neste domingo 27, em Sevran, na grande região parisiense. Vários países da União Europeia dão início à campanha de imunização neste fim de semana, diante do temor de uma nova variante do coronavírus originária do Reino Unido.

 

 

“Estou emocionada!”, declarou a francesa ao receber o imunizante da Pfizer/BioNTech no hospital René-Muret. Sorridente, a ex-doméstica foi aplaudida por toda a equipe de profissionais de saúde que acompanham a inauguração da campanha. Ao ser questionada pela imprensa sobre as reações à vacina, Mauricette resumiu: “ela esquenta!”.

Em seguida, foi a vez do cardiologista Jean-Jacques Monsuez, de 65 anos, receber a injeção. Além dos dois primeiros vacinados, cerca de 20 pessoas devem receber o imunizante neste domingo em Sevran, na grande região parisiense, e em um centro geriátrico de Dijon, no leste da França. Na próxima semana, a vacinação se estende a cerca de 23 estabelecimentos hospitalares e casas de repouso de Paris, Lyon, Lille e Tours.

O governo francês tem o objetivo de imunizar um milhão de pessoas – entre idosos, profissionais de saúde e indivíduos vulneráveis – até o final de fevereiro de 2021. Depois será a vez das pessoas com mais de 65 anos. O restante da população será vacinada até o final do segundo trimestre do ano que vem.

Além do cumprimento do programa de imunização, as autoridades de saúde também têm o grande desafio de convencer os cidadãos. A França é um dos países da Europa mais resistentes à vacina contra a Covid-19. Apenas 44% da população pretende receber o imunizante, segundo uma pesquisa publicada neste domingo pelo Journal du Dimanche.

 

Espanha e Itália

Menos de uma semana após a autorização da União Europeia à vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19, vários países do bloco iniciam a vacinação neste domingo. No entanto, a Alemanha, a Hungria e a Eslováquia resolveram se antecipar e já começaram a imunização no sábado 26.

Na Espanha, uma moradora de 96 anos de uma casa de repouso para idosos de Guadalajara, no centro do país, foi a primeira a receber o imunizante nesta manhã. Araceli Rosario Hidalgo Sanchez afirmou não ter sentido nada ao ter o produto injetado. As imagens foram transmitidas em cadeia nacional de TV.

Já a Itália anunciou que vai inaugurar sua campanha vacinando um símbolo da luta contra a Covid-19 no país, a enfermeira Claudia Aliver Nini, de 29 anos, que trabalhou ativamente junto a idosos no pico da epidemia na Itália, entre março e abril.

Quem também deve receber a injeção na Itália neste domingo é Annalisa Malara, de 38 anos, médica do serviço de reanimação do hospital de Codogno, no norte do país. Foi ela quem detectou o primeiro caso de coronavírus na Itália, em 20 de fevereiro, e soou o alarme da propagação da doença na Europa.

 

Terceiro lockdown na França

Em entrevista publicada pelo Journal du Dimanche neste domingo, o ministro francês da Saúde, Olivier Verán, não excluiu a possibilidade de um terceiro lockdown na França, caso a epidemia de Covid-19 se agrave. Ele lembra que a circulação do coronavírus continua alta na França, com cerca de 15 mil contaminações e 1.500 hospitalizações, em média, por dia.

Vários prefeitos e a classe médica fazem um apelo para que o governo retome a medida flexibilizada para as festas de fim de ano. Teme-se que a quantidade de casos e internações aumentem no início de janeiro.

Desde o início da pandemia de Covid-19, a França contabiliza mais de 62 mil óbitos, além de cerca de 2,6 milhões de contaminados.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem