Mundo

Estados Unidos promovem protestos em Hong Kong, acusa China

A chanceler chinesa Hua Chunying cobrou explicações de Washington sobre envolvimento dos EUA com as manifestações

Foto: Philip FONG / AFP Protesters use metal rods to smash glass doors and windows of the government headquarters in Hong Kong on July 1, 2019 on the 22nd anniversary of the city's handover from Britain to China. - Anti-government protesters trying to ram their way into Hong Kong's parliament battled police armed with pepper spray on July 1 as the territory marked the anniversary of its handover to China. (Photo by Philip FONG / AFP)
Foto: Philip FONG / AFP Protesters use metal rods to smash glass doors and windows of the government headquarters in Hong Kong on July 1, 2019 on the 22nd anniversary of the city's handover from Britain to China. - Anti-government protesters trying to ram their way into Hong Kong's parliament battled police armed with pepper spray on July 1 as the territory marked the anniversary of its handover to China. (Photo by Philip FONG / AFP)
Apoie Siga-nos no

A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, afirmou, nesta terça-feira 30, que os recentes protestos em Hong Kong são provocados pelos Estados Unidos e cobrou explicações de Washington. A fala ocorreu em entrevista à imprensa, após o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, declarar apoio aos manifestantes e pedir que a China tenha racionalidade ao lidar com as mobilizações.

Segundo ela, os Estados Unidos têm executado papel “vergonhoso” durante os incidentes ao se reunirem com ativistas da oposição de Hong Kong e expressarem publicamente seu apoio aos protestos violentos. A chanceler também afirmou que foram notados muitos americanos e bandeiras dos Estados Unidos nas mobilizações.

“Estamos nos perguntando qual o papel dos Estados Unidos nos incidentes em Hong Kong. Acho que os EUA devem ao mundo uma explicação sobre isso”, afirmou Hua. “Os EUA devem entender claramente que Hong Kong pertence à China. Temos enfatizado que o governo chinês nunca permitirá que as forças estrangeiras intervenham nos assuntos de Hong Kong, ou tentem atrapalhar Hong Kong.”

A porta-voz também apoiou a punição de criminosos violentos nas manifestações e sugeriu que “os EUA parem de jogar o jogo perigoso”. Segundo ela, Pompeo deve reconhecer sua posição sobre os assuntos de Hong Kong e evitar comentários “irresponsáveis”, que negligenciam a violência ocorrida nos protestos.

Hong Kong entrou em uma crise política após manifestantes tomarem as ruas em confrontos com a polícia. O objetivo, inicialmente, era protestar contra um projeto de lei que teria permitido extradições para a China continental, mas os atos desencadearam em manifestações por supostas reformas “democráticas”. Grupos de manifestantes radicais chegaram a usar barras de ferro para romper portas de vidro do prédio do Conselho Legislativo, no início de julho.

* Com informações da emissora CGTN

Victor Ohana

Victor Ohana Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.