Estado Islâmico reivindica autoria de ataque em Berlim

Mundo

O Estado Islâmico reivindicou nesta terça-feira 20 o ataque com um caminhão que deixou 12 mortos e dezenas de feridos na segunda-feira 19 em Berlim.

O grupo jihadista fala em apenas um agressor, mas o comunicado não prova envolvimento direto do Estado Islâmico no atentado. O “soldado” pode, de alguma forma, ter se inspirado no jihadismo internacional e nas ações do ISIS.

Por volta das 20h (horário local) da segunda-feira, uma carreta avançou cerca de 80 metros sobre uma feira de Natal no bairro Charlottenburg, em Berlim, atropelando consumidores e destruindo barracas. Ao menos 12 pessoas morreram e cerca de 50 ficaram feridas, algumas em estado grave.

De acordo com a Deutsche Welle, a emissora de televisão local rbb afirma que 14 feridos continuam em estado grave em hospitais de Berlim. A nacionalidade das vítimas ainda não foi divulgada pelas autoridades.

A chanceler alemã, Angela Merkel, já havia dito que os indícios apontavam para um atentado terrorista. “Devemos presumir que foi um ataque terrorista”, afirmou a chefe de governo alemã em Berlim. “Para muitos de nós, seria especialmente difícil de suportar, caso isso se confirme, que a ação foi cometida por uma pessoa que pediuproteção e asilo à Alemanha“, continuou.

Um suspeito chegou a ser detido, mas a polícia alemã o liberou na tarde desta terça-feira após interrogatório e averiguações de autoridades. Refugiado paquistanês de 23 anos, o suspeito havia sido capturado a dois quilômetros da feira de Natal e alegava inocência. O motorista do caminhão continua foragido.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem