Estado islâmico reivindica ataques contra talibãs no Afeganistão

Foram os primeiros ataques letais desde a retirada das últimas tropas americanas do Afeganistão, em 30 de agosto

Militantes do Estado Islâmico (IS) acenam a bandeira

Militantes do Estado Islâmico (IS) acenam a bandeira

Mundo

O grupo Estado Islâmico no Afeganistão (EI-K) reivindicou a autoria de ataques realizados neste sábado e domingo contra os talibãs na cidade de Jalalabad, segundo seu órgão de propaganda Amaq.

 

 

Em dois comunicados, o EI afirma ter sido o autor de “três atentados a bomba separados contra três veículos dos talibãs” ocorridos ontem em Jalalabad, e de outro “ataque a bomba” realizado neste domingo contra “um veículo dos talibãs” naquela mesma grande cidade do leste afegão. Foram os primeiros ataques letais desde a retirada das últimas tropas americanas do Afeganistão, em 30 de agosto, após 20 anos de presença militar.

As três explosões de sábado mataram duas pessoas e feriram outras 20, segundo um funcionário do alto escalão talibã, que não quis ser identificado. Já um funcionário do departamento de saúde de Nangarhar, cuja capital é Jalalabad, relatou três mortes. Pelo menos um dos ataques teve como alvo um veículo policial dos talibãs.

Neste domingo, um veículo que transportava combatentes talibãs foi atacado, segundo a imprensa local. Testemunhas citadas informaram que vários talibãs foram levados para o hospital após a explosão, que, segundo um jornalista, ocorreu perto de um entroncamento em direção à capital, Cabul.

Os ataques mostram a situação precária da segurança no Afeganistão, onde o novo regime prometeu restaurar a paz e estabilidade, após mais de quatro décadas de guerra.

Jalalabad é o principal foco do grupo Estado Islâmico no Afeganistão (IS-K), rival dos talibãs, que assumiu a responsabilidade pelo ataque que matou mais de 100 pessoas no aeroporto de Cabul em 26 de agosto.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem