Mundo

Estado de Maine bloqueia participação de Trump nas primárias locais

Trump se apressou em condenar a decisão, afirmando que foi tomada por “um esquerdista radical” que era um “ardente apoiador” de Joe Biden

Foto: Eduardo Munoz Alvarez/AFP
Apoie Siga-nos no

O estado do Maine, no nordeste dos Estados Unidos, anunciou nesta quinta-feira (28) que o magnata Donald Trump não aparecerá nas cédulas das primárias presidenciais republicanas de 2024, uma semana após uma decisão semelhante em Colorado, relacionada ao ataque ao Capitólio em 2021.

“Ele não está qualificado para ser presidente” de acordo com a 14ª Emenda da Constituição, que exclui da responsabilidade pública aqueles que tenham participado de atos de “insurreição”, disse em um documento oficial Shenna Bellows, secretária de Estado do Maine, responsável pela organização das eleições.

“Não cheguei a esta conclusão de maneira leviana”, confessou Bellows no documento, no qual acrescentou que o ataque ao Capitólio, sede do Congresso americano, foi cometido “por ordem, com pleno conhecimento e apoio do presidente em fim de mandato”.

A decisão será “suspensa” em caso de impugnação judicial, completou, o que deve ser o caso, já que o porta-voz da campanha de Trump anunciou que o republicano impugnará a decisão do Maine nos tribunais. O caso poderia até ser objeto de um recurso final na Suprema Corte dos Estados Unidos.

Trump se apressou em condenar a decisão, afirmando que foi tomada por “um esquerdista radical” que era um “ardente apoiador” de Joe Biden.

“Estamos testemunhando ao vivo uma tentativa de roubo de uma eleição e a privação do direito de voto do eleitor americano”, denunciou o republicano por meio de sua equipe de campanha.

Em 2020, o magnata venceu em um dos distritos eleitorais (responsáveis pela eleição do presidente e vice-presidente dos EUA) no Maine. Isso significa que a decisão de Bellows, caso seja aplicada, poderia ter consequências em grande escala se as eleições forem apertadas.

À espera da Suprema Corte

Em 6 de janeiro de 2021, centenas de apoiadores de Trump invadiram violentamente o Capitólio, santuário da democracia americana, em uma tentativa de impedir a certificação da vitória de seu oponente democrata Biden.

Trump e seus apoiadores mais fervorosos continuam contestando, sem provas, os resultados das eleições de 2020.

O ex-presidente foi indiciado em 1º de agosto a nível federal e, posteriormente, em 14 de agosto, pelo estado da Geórgia, acusado de tentar anular os resultados das eleições de 2020.

Em vários estados do país, foram iniciados processos para bloquear o caminho do claro favorito nas primárias republicanas.

Enquanto Michigan e Minnesota os rejeitaram, o Tribunal Supremo do Colorado foi o primeiro, na semana passada, a declarar Trump inelegível por suas ações durante o ataque ao Capitólio.

Por enquanto, as decisões de Maine e Colorado se referem apenas às primárias republicanas realizadas em seus estados, programadas para 5 de março, durante o “superterça”, que envolve cerca de quinze estados.

Os juízes em Colorado reconheceram estar “entrando em território desconhecido” em sua decisão de ordenar às autoridades eleitorais desse estado do oeste do país que retirem o nome de Donald Trump das cédulas de votação para as primárias republicanas de 2024.

O presidente Biden reagiu a essa decisão, afirmando que Trump havia “claramente apoiado uma insurreição”. “Não há dúvida sobre isso, nenhuma”, disse.

No entanto, até que a Suprema Corte se pronuncie, as cédulas continuarão a incluir o nome do ex-presidente, tanto no Colorado quanto em Maine.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo