Estado da ex-presidente da Bolívia é estável depois de tentar ‘tirar a própria vida’ na prisão

Jeanine Áñez está acompanhada da família no centro penitenciário, segundo o governo

A ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez. Foto: AFP

A ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez. Foto: AFP

Mundo

A saúde da ex-presidente boliviana Jeanine Áñez está estável depois que, segundo seus parentes, ela tentou se suicidar na cadeia onde está detida, informaram as autoridades penitenciárias neste domingo 22.

 

 

“Podemos dizer, categoricamente, que sua saúde está estável. No momento ela está com sua família no centro penitenciário. A família será um fator importante na recuperação do estado de espírito da presidiária”, declarou Juan Carlos Limpias, diretor do Regime Penitenciário, em coletiva de imprensa.

Áñez tentou o suicídio devido a uma “forte depressão” decorrente de sua longa prisão, explicou sua filha, Carolina Ribera. Um de seus advogados disse que era uma forma de enviar “uma mensagem de ajuda e de socorro”.

O Ministro do Governo (Interior), Eduardo del Castillo, assegurou no sábado que Áñez “teria tentado (…) suicidar-se” e que tinha “pequenos cortes no braço”.

A ex-presidente interina de 54 anos, mantida sob custódia preventiva por cinco meses, é acusada em três processos diferentes de genocídio, terrorismo, conspiração, resoluções contrárias à Constituição e violação de deveres durante seu mandato presidencial de um ano (2019-2020).

“A Administração Penitenciária aceitou que um parente pernoitasse todas as noites acompanhando a recuperação da senhora Áñez. Na noite passada, seu filho a acompanhava”, detalha um boletim entregue à AFP pelo Ministério de Governo (Interior).

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem