Especialista prevê até 200 mil mortes nos EUA por coronavírus

Os Estados Unidos registram quase 125.000 casos positivos de coronavírus, além de 2191 mortes

Créditos: Kena Betancur / AFP

Créditos: Kena Betancur / AFP

Mundo

Anthony Fauci, especialista em doenças infecciosas e conselheiro do presidente Donald Trump para a pandemia do novo coronavírus, afirmou neste domingo 29 que entre 100.000 e 200.000 pessoas podem morrer nos Estados Unidos vítimas da Covid-19.

“Em função do que vemos hoje, diria que entre 100.000 e 200.000”, afirmou o doutor Fauci ao canal CNN sobre o possível número de mortes. Ele também citou “milhões de possíveis casos”.

 

Cauteloso, o diretor do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas recordou, no entanto, que os modelos sempre são baseados em diferentes hipóteses.

“Apresentam o pior e o melhor cenário. E geralmente a realidade fica em algum ponto intermediário”, explicou.

“Entre as doenças com as quais já trabalhei, nunca vi um modelo em que aconteça o pior dos casos. Sempre são superestimadas”, completou.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, cujo balanço é usado como referência, até o momento os Estados Unidos registram quase 125.000 casos positivos do novo coronavírus, o maior número no mundo para apenas um país. O número de mortes, 2.191, quase dobrou desde quarta-feira.

De acordo com as projeções da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, o pico da epidemia acontecerá em meados de abril nos Estados Unidos, com um número de mortes que pode se aproximar de 80.000 a partir de junho, seguindo a trajetória atual.

De acordo com este modelo, o número vai de mínimo de 38.000 mortes ao máximo de 162.000. Em comparação, a gripe matou 34.000 pessoas no país durante a epidemia de 2018-2019.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem