Espanha ultrapassa China no número de infecções por coronavírus

O país registrou 812 mortes em 24 horas

Médicos cuidam de pacientes com coronavírus em hospital de campanha em Madri,a Espanha. Foto: D.SINOVA / COMUNIDAD DE MADRID / AFP)

Médicos cuidam de pacientes com coronavírus em hospital de campanha em Madri,a Espanha. Foto: D.SINOVA / COMUNIDAD DE MADRID / AFP)

Mundo

A Espanha registrou 812 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, o que eleva a 7.340 o total de vítimas fatais desde o início da epidemia, anunciou o ministério da Saúde nesta segunda-feira 30.

Segundo país com o maior número de mortes provocadas pela COVID-19, depois da Itália, a Espanha registrou de domingo para segunda-feira um número menor de mortes em 24 horas, depois do recorde de 838 anunciado na véspera.

Em termos percentuais, a progressão de falecimentos confirma a a desaceleração considerável nas últimas 24 horas, a 12,4%, contra 27% registrado na quarta-feira.

O número global de infectados diagnosticados chegou a 85.195, um aumento de 8%, o que também implica uma queda considerável em termos percentuais desde quarta-feira (quando aconteceu uma alta de 20% dos casos), segundo o balanço do ministério.

Com isso, a Espanha se tornou o terceiro país do mundo com mais casos da doença, ultrapassando a China, berço do Sars-CoV-2, que registra oficialmente 82.156 contaminações.

As autoridades de saúde expressaram um otimismo cauteloso no fim de semana, ao apontar que o país poderia estar se aproximando do pico dos contágios. “A evolução parece que se estabilizou, parece que inclusive está começando a cair”, disse Fernando Simón, diretor do Centro de Emergências Sanitárias.

O número de pessoas que receberam alta mantém a tendência de alta e chegou a 16.780, quase 20% do total de infectados pela COVID-19.

A região de Madri, onde vários hospitais estão saturados e já que habilitou dois necrotérios e um hospital de campanha em um centro de convenções, continua sendo a mais afetada, com pouco menos de um terço dos casos e quase metade das mortes.

Os 46,6 milhões de espanhóis permanecem em confinamento desde 14 de março e devem prosseguir assim até pelo menos 11 de abril.

O governo do primeiro-ministro Pedro Sánchez decidiu restringir ainda mais o confinamento a partir desta segunda-feira, com a suspensão de todas as atividades não essenciais por duas semanas, em sua luta por restringir os contágios do coronavírus SARS-Cov-2.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem