Mundo

Em um ano, Paris multou 10 mil pessoas por jogar bituca de cigarro na rua

Na luta contra a incivilidade também há multas para quem não limpa a sujeita do cachorro e para quem urina na rua

| |
Mulher fumando|
| |
Apoie Siga-nos no

A prefeitura de Paris criou, em setembro de 2016, uma brigada especial para lutar contra as incivilidades. Além de vigiar quem deixa lixo ou entulho nas ruas, os agentes sancionam quem joga bitucas de cigarro nas calçadas. Em apenas um ano, mais de 10 mil pessoas já foram multadas por esse delito.

A sujeira nas ruas é uma das principais reclamações dos parisienses. Por essa razão – e também para dar uma boa imagem da cidade aos milhões de turistas que visitam a capital francesa a cada ano – a prefeitura tem investido cada vez mais nas políticas de limpeza das vias públicas. As autoridades gastam cerca de 500 milhões de euros (quase 2 bilhões de reais) para manter as ruas limpas.

Uma das medidas mais conhecidas é a brigada de luta contra as incivilidades, um contingente de 1,9 mil agentes que vigiam atos como jogar papel no chão ou urinar atrás dos muros. Quem não recolhe a sujeira feita por seu cachorro durante o passeio diário também é sancionado.

Leia também:
Os “serial killers” da indústria do cigarro
Os fumantes e o trabalho

Quem for pego jogando uma bituca de cigarro na rua leva uma multa de 68 euros (cerca de 250 reais). Já urinar na rua ou não recolher a sujeira dos cachorros custa 35 euros (cerca de 130 reais).

Em apenas um ano de existência da brigada, mais de 65 mil pessoas foram multadas, metade delas por jogar lixo na rua ou colocar entulho na calçada sem avisar a prefeitura.

Agentes à paisana nos terraços dos restaurantes

Os membros da brigada andam pelas ruas da cidade, com uniforme ou muitas vezes à paisana, para ver quem está fazendo algo errado. Sem arma letal, os agentes carregam apenas uma espécie de cassetete, algemas e uma bomba de gás lacrimogênio.

No caso do cigarro, como não se pode fumar em lugares públicos fechados na França, a brigada faz rondas nos parques e nos terraços dos cafés e restaurantes, onde sempre tem gente fumando, para ver se alguém joga a bituca no chão. As portas das estações de metrô também são alvo de vigilância.

A prefeitura também instalou 30 mil cestos adaptados para cigarros, com um lugar específico para apagar a bituca antes de jogar no lixo. Segundo as últimas estatísticas, 350 toneladas de bitucas são recolhidas por ano nas ruas de Paris.

Outras da RFI:
França aumenta impostos sobre cigarros mais baratos para frear tabagismo
Multas para quem sujar ruas de Paris podem chegar a 283 reais 

 

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.