É inacreditável que isso ainda seja notícia, diz prefeita eleita em Bogotá

Eleição da centro-esquerdista é um novo capítulo em um país onde historicamente governam homens das elites conservadoras e liberais

Prefeita eleita de Bogotá, Claudia López.
Foto: Raul ARBOLEDA / AFP

Prefeita eleita de Bogotá, Claudia López. Foto: Raul ARBOLEDA / AFP

Diversidade,Mundo

A centro-esquerdista Claudia López, lésbica e destaque da luta contra a corrupção na Colômbia, foi eleita prefeita de Bogotá no domingo 27. Em entrevista à RFI, ela comemorou a conquista, mas se disse surpresa com a comoção mundial em torno de uma liderança feminina, até então inédita na capital colombiana.

“Por um lado, é um passo importante na minha vida, para a igualdade e a mudança, é um resultado fundamental para a história da Colômbia. Mas também é um pouco triste, digamos. Porque é inacreditável que em pleno século 21 algo que é perfeitamente normal seja notícia”, diz.

López, de 49 anos, obteve mais de 35% dos votos em uma disputa acirrada com o liberal Carlos Fernando Galán, que conseguiu mais de 32% dos votos. A vitória da centro-esquerdista é um novo capítulo em um país onde historicamente governam homens das elites conservadoras e liberais.

“Fruto de muito trabalho”

Na entrevista, López não escondeu o entusiasmo com a conquista. “Estou muito comovida e muito agradecida. É a primeira vez que uma mulher, representante da diversidade, filha de uma professora, vinda de uma família humilde, chega à liderança da prefeitura de Bogotá. Isso é fruto de muito trabalho de homens e mulheres da Colômbia. Conseguíamos realizar mudanças, mas quase nunca ganhávamos eleições. Enfim, ganhamos!”, celebra.

Por outro lado, a prefeita eleita lamenta a demora para que a igualdade e a inclusão aconteçam na Colômbia, em relação a outros países sul-americanos. “Uruguai, Bolívia e Equador estão muito mais avançados na representação das mulheres. A verdade é que no domingo, 27 de outubro, o século 21 começou na Colômbia”, salienta.

López assumirá o cargo a partir de 1° de janeiro de 2020 para comandar a capital colombiana, que conta com 7,2 milhões de habitantes. Segundo ela, suas prioridades serão a segurança, a violência contra as mulheres e a luta contra o narcotráfico.

Conhecida por sua personalidade forte e sua disciplina, uma das principais lutas da prefeita é contra a corrupção na política. Como acadêmica, investigou as alianças de líderes públicos com sanguinários grupos de ultradireita. Também é conhecida pela forte oposição à direita que governa a Colômbia há pouco mais de um ano, sob a liderança do presidente Iván Duque.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem