Mundo

Draghi pede ‘esforço’ dos EUA e Rússia para uma ‘mesa de paz’ sobre a Ucrânia

Primeiro-ministro italiano defende uma retomada do diálogo entre americanos e russos

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, e o presidente americano Joe Biden. Foto: Nicholas Kamm/AFP
O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, e o presidente americano Joe Biden. Foto: Nicholas Kamm/AFP
Apoie Siga-nos no

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, pediu nesta quarta-feira 11 em Washington que os Estados Unidos e a Rússia aceitem sentar-se à mesma “mesa para a paz”, e encontrem uma saída para guerra liderada por Moscou na Ucrânia.

“Há que se fazer um esforço para sentar-se à mesa” de negociações “e é um esforço que deve ser feito por todos os aliados, mas em particular, por exemplo, pela Rússia e Estados Unidos” disse Draghi aos jornalistas, no dia seguinte de uma reunião com o presidente americano, Joe Biden.

“É necessário uma mesa com todos, a Ucrânia é sem dúvidas protagonista desta mesa”, porque “devemos evitar a suspeita” de uma “paz imposta, uma paz organizada pelos Estados Unidos, os europeus ou os russos e que não seja aceitável para os ucranianos”, afirmou.

O governo Biden, que esteve muito envolvido na busca de soluções diplomáticas com Moscou antes do conflito, quase não fez contatos de alto nível com a Rússia desde a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro. E insiste que não considera se envolver diretamente nas negociações enquanto não houver uma desescalada russa.

Draghi, ao contrário, defende uma retomada do diálogo com os americanos e considerou que para isso seria necessário “retomar e intensificar os contatos em todos os níveis”.

Em Washington se fala cada vez mais de uma “derrota estratégica” do presidente russo Vladimir Putin, a quem Biden considerou um “carniceiro” e “genocida”.

Draghi também expressou suas reservas sobre a oposição dos Estados Unidos à presença de Putin na próxima cúpula do G20, que acontecerá em novembro na Indonésia.

“Por um lado, todos temos a tentação de não sentarmos à mesma mesa que Putin. Mas, por outro lado, o fato é que o resto do mundo estará ao redor desta mesa, e levantar-se significa abandonar o resto do mundo”, argumentou Draghi.

Segundo ele, “diante da necessidade de formar uma mesa para a paz, é preciso um pouco de reflexão” antes de anunciar um boicote.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.