Donald Trump inicia retirada formal dos Estados Unidos da OMS

Trump acusou a OMS de encobrir a magnitude da pandemia de coronavírus e disse que as posições da organização estão muito próximas da China

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Foto: CHIP SOMODEVILLA/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/Getty Images via AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Foto: CHIP SOMODEVILLA/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/Getty Images via AFP

Mundo

O governo de Donald Trump iniciou nesta terça-feira a retirada formal dos Estados Unidos da Organização Mundial da Saúde (OMS), cumprindo as ameaças que fez em várias ocasiões ao criticar a entidade por sua resposta à pandemia de coronavírus.

Os Estados Unidos são o maior doador da OMS, uma organização que lidera a luta global contra doenças como poliomielite, sarampo e também contra epidemias de saúde mental. A decisão de Trump de deixar a agência com sede em Genebra gerou uma onda de críticas.

Trump acusou a OMS de encobrir a magnitude da pandemia de coronavírus e disse que as posições da organização estão muito próximas da China, onde o vírus foi detectado pela primeira vez em dezembro e de um país que ele também culpa por sua disseminação.

Após várias ameaças de Trump de suspender contribuições da ordem de US$ 400 milhões por ano, o presidente dos EUA finalmente notificou o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, de que seu país começa a retirada do organismo, informou um porta-voz do Departamento de Estado.

 

O diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, respondeu com um Twitter com a palavra “Juntos!” e um link para uma discussão com especialistas norte-americanos sobre como a saída do país do órgão global poderá dificultar os esforços para evitar futuras pandemias.

A retirada entraria em vigor em um ano – 6 de julho de 2021 -, mas Joe Biden, rival democrata de Trump na disputa eleitoral de novembro, afirmou que se vencer, ele reverterá imediatamente a decisão.

“Os americanos estão mais seguros quando os Estados Unidos se comprometem a fortalecer a saúde global. No meu primeiro dia como presidente, voltarei à @WHO (OMS) e restaurarei nossa liderança no cenário mundial”, escreveu Biden no Twitter.

Controle total

A carta de notificação foi enviada depois que Trump anunciou em 29 de março que seu país estava deixando a organização por causa de diferenças de tratamento em relação à China, alegando que Pequim estava “no controle total” da organização.

Muitos críticos do presidente afirmaram que este anúncio se trata de uma distração para a opinião pública sobre a gestão da pandemia nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos são o país com mais mortes por coronavírus, com mais de 130.306 mortes e enfrentando um aumento de infecções no sul e oeste do país.

O anúncio chega em um momento em que a OMS alertou para a crescente evidência de uma possível transmissão aérea do vírus, que deixou mais de 539.620 mortos em todo o mundo.

“Isso não vai proteger a vida ou os interesses dos americanos, deixa-os doentes e solitários”, disse o senador democrata Bob Menendez, que considerou resposta de Trump à pandemia caótica e irresponsável.

 

O representante democrata Ami Bera, que é médico, disse que os Estados Unidos trabalharam de mãos dadas com a OMS para erradicar a varíola e conseguiram quase acabar com a pólio.

“Nossos casos estão aumentando”, denunciou o legislador, referindo-se ao coronavírus. “Se a OMS é culpada, por que os Estados Unidos estão ficando para trás de países como Coreia do Sul, Nova Zelândia, Vietnã e Alemanha quando se trata de voltar ao normal?”, questionou Bera.

Até alguns aliados republicanos de Trump expressaram suas expectativas de que o presidente não tomasse a decisão final de deixar a organização.

O governo Trump disse que a OMS ignorou os primeiros sinais de transmissão humano-a-humano do novo coronavírus, incluindo avisos feitos por Taiwan, que não faz parte do órgão da ONU por pressão de Pequim.

Apesar de várias autoridades de saúde concordarem em criticar a OMS até certo ponto, elas também argumentam que a organização não tinha outra opção além de trabalhar com a China em uma situação de emergência.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem