Mundo

Djokovic volta a ser detido na Austrália

Autoridades do país argumentam que a presença do tenista “pode incentivar o sentimento antivacinas”

O tenista Novak Djokovic. Foto: AFP
O tenista Novak Djokovic. Foto: AFP

A dois dias do início do Aberto da Austrália, o número um do tênis mundial, Novak Djokovic, foi detido novamente neste sábado (noite de sexta, 14, no Brasil) em Melbourne, enquanto a justiça examina sua deportação por não ter se vacinado contra a covid-19.

O governo australiano cancelou pela segunda vez o visto do tenista sérvio, mas não o expulsou imediatamente à espera de que a justiça se pronuncie sobre o recurso apresentado pelos advogados do jogador.

Segundo a documentação apresentada, as autoridades australianas argumentam que a presença de Djkovic “pode incentivar o sentimento antivacinas” e por isso pediram sua expulsão.

O caso está nas mãos da justiça federal australiana, depois que o juiz de Melbourne perante o qual os advogados do tenista apelaram se declarou incompetente.

Esta mudança de jurisdição pode desacelerar o processo, avaliou a defesa de Djokovic.

Enquanto o tribunal escuta os argumentos de ambas as partes, Djokovic, que na próxima segunda-feira começaria sua defesa do título do Aberto da Austrália contra o compatriota Miomir Kecmanovic, está retido em um local não divulgado em Melbourne.

O caso pode ter repercussões de longo prazo para o número um do mundo, que corre o risco de ser banido da Austrália por três anos.

Isso seria um duro golpe para ‘Nole’, que almeja seu décimo título em Melbourne e sua 21ª vitória em um Grand Slam – o que seria um recorde no circuito masculino.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!