Desativada a rede social conservadora Parler

Rede não tinha políticas de uso que restringiam discursos de ódio. Trump e Bolsonaro eram dois líderes mundiais que tinham contas

(Foto: Olivier DOULIERY / AFP)

(Foto: Olivier DOULIERY / AFP)

Mundo

A rede social conservadora Parler foi desativada da internet nesta segunda-feira 11 – informou um site especializado, um dia depois de a Amazon advertir a empresa que perderia acesso a seus servidores por ser incapaz de moderar as mensagens incitando a violência.

O site de rastreamento de Internet Down For Everyone Or Just Me mostrou a rede Parler desativada pouco depois da meia-noite local (5h em Brasília), o que sugere que seus donos não conseguiram nenhum outro provedor de serviço.

Parler, cuja popularidade disparou nas últimas semanas, tornou-se um refúgio para alguns internautas indignados com a política de moderação de redes sociais como o Twitter, que encerrou a conta de Donald Trump, em definitivo, na última sexta-feira.

 

 

 

Na rede conservadora, foram divulgadas mensagens de apoio aos que invadiram o Congresso. Algumas delas também convocaram a realização de novos protestos contra o resultado da eleição presidencial de novembro, vencida pelo democrata Joe Biden.

A Amazon segue, assim, os passos do Google e da Apple, que já removeram a Parler de suas plataformas de download. Em uma carta enviada à rede social, a empresa justificou a decisão, devido ao aumento de “conteúdos violentos”.

Em uma série de “posts” na Parler, seu fundador, John Matze, confirmou no sábado que seu aplicativo não estaria disponível a partir do dia seguinte e acusou os gigantes da tecnologia de estarem em uma “guerra contra a liberdade de expressão”. Procurada pela AFP, a Parler não quis comentar.

Em seu início em 2018, a Parler era, principalmente, um território extremista. Agora, atrai conservadores mais tradicionais, incluindo congressistas republicanos.

Assim como outras plataformas alternativas aos gigantes Twitter e Facebook, a Parler tem regras mais flexíveis em relação à desinformação e ao conteúdo de ódio do que as redes tradicionais.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem