Mundo

“Democracia no Paraguai foi ferida”, diz Lula

O ex-presidente criticou o fato de o Congresso não ter dado tempo sequer para Fernando Lugo se defender

Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou nesta segunda-feira 25, pela primeira vez, o impeachment relâmpago do qual foi vítima o agora ex-presidente do Paraguai Fernando Lugo. Durante evento para confirmar o apoio do PCdoB a Fernando Haddad (PT) na disputa pela Prefeitura de São Paulo, Lula disse entender que a “democracia” foi ferida.

Lula não quis falar como ex-chefe de Estado e jogou a decisão nas mãos da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), mas afirmou que “enquanto cidadão brasileiro acho que a democracia do Paraguai foi ferida”. Lula criticou o fato de Lugo não ter tido tempo para se defender. Todo o processo de impeachment levou apenas 36 horas. “Apesar de deputados e senadores dizerem que cumpriram a Constituição, não deram tempo sequer para o presidente se defender”, afirmou. “Nunca vi um julgamento sumário que em 24 horas foi capaz de depor um presidente que demorou 60 anos para ser eleito”, disse Lula, em referência ao fato de que a eleição de Lugo, em 2008, ter acabado com um domínio de seis décadas do conservador Partido Colorado na política paraguaia.

Lula também se negou a dizer se achava que os fatos ocorridos no Paraguai consistem ou não um golpe de Estado. “Não adianta eu achar que foi golpe porque eles dizem que não foi”, disse.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou nesta segunda-feira 25, pela primeira vez, o impeachment relâmpago do qual foi vítima o agora ex-presidente do Paraguai Fernando Lugo. Durante evento para confirmar o apoio do PCdoB a Fernando Haddad (PT) na disputa pela Prefeitura de São Paulo, Lula disse entender que a “democracia” foi ferida.

Lula não quis falar como ex-chefe de Estado e jogou a decisão nas mãos da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), mas afirmou que “enquanto cidadão brasileiro acho que a democracia do Paraguai foi ferida”. Lula criticou o fato de Lugo não ter tido tempo para se defender. Todo o processo de impeachment levou apenas 36 horas. “Apesar de deputados e senadores dizerem que cumpriram a Constituição, não deram tempo sequer para o presidente se defender”, afirmou. “Nunca vi um julgamento sumário que em 24 horas foi capaz de depor um presidente que demorou 60 anos para ser eleito”, disse Lula, em referência ao fato de que a eleição de Lugo, em 2008, ter acabado com um domínio de seis décadas do conservador Partido Colorado na política paraguaia.

Lula também se negou a dizer se achava que os fatos ocorridos no Paraguai consistem ou não um golpe de Estado. “Não adianta eu achar que foi golpe porque eles dizem que não foi”, disse.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.