Mundo

assine e leia

De volta a 1973

Ao revogar o direito constitucional ao aborto, a Suprema Corte dos EUA voltou-se contra a vontade popular

Reação. A decisão provocou numerosas manifestações de repúdio pelo país. Apenas 36% da população defendia a derrubada do precedente que assegurava às mulheres direito à interrupção da gravidez. O apoio aos juízes da Corte constitucional despencou. - Imagem: Tayfun Coskun/Anadolu Agency/AFP e James O’Keefe
Reação. A decisão provocou numerosas manifestações de repúdio pelo país. Apenas 36% da população defendia a derrubada do precedente que assegurava às mulheres direito à interrupção da gravidez. O apoio aos juízes da Corte constitucional despencou. - Imagem: Tayfun Coskun/Anadolu Agency/AFP e James O’Keefe
Apoie Siga-nos no

Caminhando da Suprema Corte dos EUA até o Capitólio, segurando no alto uma placa que dizia “Meu corpo, minha escolha” e “É direito das mulheres escolher”, Taylor Treacy não conseguia entender como tinha menos direitos constitucionais naquele momento do que quando ela acordou, de manhã. “É de partir o coração”, disse a jovem de 28 anos, que trabalha com marketing esportivo. “As pessoas que fizeram abortos legalmente são principalmente mulheres negras e pardas, mas os cinco juízes capazes de dar a palavra final foram quatro homens poderosos e uma mulher branca. Estamos permitindo mais acesso a armas, mas estamos tirando os direitos das mulheres. Parece que estamos retrocedendo.”

Milhões de mulheres acabavam de perder o acesso ao aborto na sexta-feira 24, após o mais alto tribunal dos EUA revogar uma decisão de quase 50 anos e outros precedentes que consagravam esse direito. O juiz conservador Samuel Alito escreveu na opinião majoritária do tribunal que a decisão do caso Roe vs. Wade, que permitiu o aborto, era “extremamente errada e profundamente prejudicial”, e que os estados deveriam decidir se limitam ou criminalizam o procedimento. “Com pesar – por este Tribunal, mas mais pelos muitos milhões de mulheres americanas que hoje perderam uma proteção constitucional fundamental –, discordamos”, respondeu a minoria liberal da Corte. Prevê-se que a decisão levará à proibição do aborto em cerca de metade dos estados americanos.

David Smith

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.