Covid: Oxford começa a testar nova vacina contra variante Beta

Vacina também é produzida pelo laboratório AstraZeneca

FOTO: NELSON ALMEIDA/AFP

FOTO: NELSON ALMEIDA/AFP

Mundo

A Universidade de Oxford anunciou neste domingo 27 que começou a testar em voluntários uma vacina desenvolvida com o laboratório AstraZeneca contra a variante Beta do coronavírus, inicialmente detectada na África do Sul.

A universidade britânica e o laboratório anglo-sueco esperam reunir 2.500 voluntários no Reino Unido, África do Sul, Brasil e Polônia para iniciar as fases 2 e 3 deste ensaio clínico em humanos, indica um comunicado.

O protótipo da vacina usa a mesma tecnologia de “vetor viral” também usada no medicamento AstraZeneca já adotado contra o vírus.

“Testar doses de reforço de vacinas existentes ou vacinas contra novas variantes é importante para garantir que estejamos o mais bem preparados possível para ficar à frente da pandemia”, comentou o professor Andrew Pollard, diretor do Oxford Vaccine Group.

Seus criadores esperam ter dados provisórios desses testes ainda este ano e submetê-los à revisão regulatória, de acordo com o comunicado.

Acredita-se que as vacinas atuais sejam menos eficazes contra a variante Beta do vírus, embora todas pareçam ser muito eficazes na prevenção de suas consequências mais graves.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem