Mundo

Corpo de Elizabeth II deixa castelo de Balmoral e segue para Edimburgo, capital da Escócia

Corpo da monarca está agora na residência oficial da família real no país. Funeral será somente no dia 19 de setembro

Cortejo com corpo de Elizabeth II chega a Edimburgo. Foto: Ian Forsyth/AFP
Apoie Siga-nos no

O caixão da rainha Elizabeth II deixou Balmoral, na Escócia, onde ela morreu na última quinta-feira 8, e segue neste domingo 11 para Hollyroodhouse.

O palácio é a residência oficial da família real em Edimburgo, a capita escocesa. É uma viagem de 280 quilômetros, em velocidade reduzida, que deve durar um total de seis horas. O trajeto está sendo acompanhado por milhares de pessoas, que desde cedo se enfileiraram pela rota por onde passará o corpo, para prestar suas últimas homenagens.

O caixão segue nesta segunda-feira 12 para a Catedral St. Giles, acompanhado do rei Charles III e de membros da família real. E somente na terça-feira chega de avião a Londres, onde ficará primeiro no Palácio de Buckingham, até seguir de carruagem para a Abadia de Westminster, onde também será acompanhado pelos Windsor e poderá ser visitado por milhares de pessoas.

É um longo protocolo previsto para os próximos dias que se encerra no funeral de Elizabeth II, no dia 19 de setembro, na Abadia de Westminster, o coração político de Londres. A data foi confirmada neste fim de semana pelo palácio. Charles III decretou feriado para a ocasião. A ideia é permitir que as pessoas testemunhem a história e possam se despedir dela em momentos diferentes.

William e Harry juntos

Desde quinta-feira, dezenas de milhares de pessoas prestaram homenagens à rainha Elizabeth II em frente aos endereços reais pelo país. Em Londres, no Palácio de Buckingham, o movimento se intensificou durante o final de semana. No sábado, para a surpresa de todos, os netos da rainha foram ao encontro da multidão. O primogênito William, novo príncipe de Gales, acompanhado da mulher Kate, princesa de Gales, e Harry, duque de Sussex, com sua mulher Megan Markle, a duquesa de Sussex, leram bilhetinhos deixados pelos súditos e passearam entre os milhões de buquês de flores deixados em frente ao Palácio.

Neste domingo, a mensagem da proclamação do rei Charles III está sendo replicada pelo resto do reino, a partir de cerimônias em Edimburgo, Cardiff, capital do País de Gales e Belfast, da Irlanda do Norte.

Em Londres, o rei Charles III recebe o secretário de Commonwealth, a comunidade de nações que agrupa sobretudo antigas colônias britânicas, no Palácio de Buckingham. Mais tarde, na sala dos Arcos, tem reunião com o os altos comissários partos países dos quais é chefe de Estado. São 14 ao todo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo