Coronavírus pode criar empregos nos EUA, diz secretário do Comércio

O surto do vírus já deixou 170 mortos e 7.700 casos foram confirmados

Secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross. Foto: Fabrice COFFRINI / AFP

Secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross. Foto: Fabrice COFFRINI / AFP

Mundo

O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, disse, nesta quinta-feira 30 que o novo coronavírus, que já deixou 170 mortos na China e deflagrou temores mundiais, pode criar empregos em seu país.

Ross comentou que o vírus é “muito infeliz”, mas também é um “fator de risco” a ser considerado pelas empresas para operarem, ou não, na China. Até agora, 15 países foram afetados pelo novo vírus.

“Não quero falar de fazer uma volta da vitória em relação a uma doença muito infeliz e maligna, mas o fato é que dá aos negócios outro aspecto a levar em consideração”, disse ele ao canal de notícias Fox Business.

“Então, acredito que ajudará a acelerar o retorno de empregos para a América do Norte, alguns para os Estados Unidos e, provavelmente, para o México também”, afirmou.

Imediatamente, seus comentários foram criticados nas redes sociais por especialistas em saúde.

“Não há provas científicas, ou históricas, que apoiem o que está dizendo”, apontou Georges Benjamin, da American Public Health Association, ao jornal “The Washington Post”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deve se reunir nesta quinta-feira (30) para decidir se declara uma emergência global pela doença. Muitos governos pediram a seus cidadãos que não visitem a China, enquanto outros proibiram a entrada de viajantes procedentes de Wuhan, epicentro da epidemia.

Hoje, o Fundo Monetário Internacional (FMI) indicou que acompanha a situação do coronavírus “em tempo real” e garantiu que o impacto na economia mundial dependerá da duração da epidemia.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem