Mundo

Conta da rede social de Trump menciona “Reich unificado” se o republicano ganhar as eleições

Campanha do ex-presidente alega que o vídeo não é uma publicação oficial e que teria sido postado por um funcionário que não se atentou ao termo como uma possível referência ao nazismo

Foto: Mike Segar / POOL / AFP
Apoie Siga-nos no

Um vídeo publicado pela conta da Truth Social, a rede social de Donald Trump, mostra manchetes hipotéticas que falam de um “Reich unificado” se o ex-presidente republicano vencer as eleições presidenciais de 2024, expressão que gerou duras críticas por parte do comitê de campanha do seu rival, o presidente democrata Joe Biden.

“O que acontecerá depois que Donald Trump vencer? O que vem a seguir para os Estados Unidos?”, pergunta o clipe de 30 segundos.

Em meio a uma série de manchetes fictícias abordando a suposta prosperidade americana, como “Boom Econômico!” e “A fronteira está fechada”, também é mencionada “a criação de um Reich unificado”.

Nenhuma referência direta aos nazistas é feita no clipe, mas a palavra “Reich” é comumente usada para se referir ao Terceiro Reich, o Estado da Alemanha nazista governado por Adolf Hitler (1933-1945).

Outras referências no vídeo, que parecia ter vários trechos de texto copiados e colados para preencher o fundo do “jornal”, mencionam a Primeira Guerra Mundial. A manchete “reich unificado” parece se referir à unificação da Alemanha, alcançada em 1871.

Em um comunicado, a porta-voz da campanha de Trump, Karoline Leavitt, disse que a postagem não tinha apoio oficial e que a referência ao “Reich” não foi intencional.

“Este não foi um vídeo de campanha, foi criado por uma conta online aleatória e republicado por um funcionário que claramente não viu a palavra”, disse ela.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo