Mundo

Conservador Boris Johnson é eleito o novo primeiro-ministro britânico

Um ferrenho defensor do Brexit, o ex-prefeito de Londres chegará a Downing Street na quarta-feira após encontro com a rainha

Foto: Ben Stansall/AFP
Foto: Ben Stansall/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-prefeito de Londres e um dos artífices do Brexit, Boris Johnson, será o próximo primeiro-ministro britânico depois de derrotar o ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, segundo resultados anunciados pelo Partido Conservador.

O ex-chefe da diplomacia britânica obteve 92.153 votos dos 159.000 votos dos membros do partido, contra 46.656 votos de Hunt. Desta forma, torna-se o líder dos conservadores e receberá as chaves de Downing Street na tarde de quarta-feira após uma visita à rainha Elizabeth II.

“Concluiremos o Brexit em 31 de outubro”, declarou Johnson momentos depois de vencer as eleições primárias do Partido Conservador, ganhando o direito de substituir a atual premiê Theresa May.

Pouco depois do anúncio, o negociador da UE para o Brexit, Michel Barnier, expressou sua disposição de trabalhar para uma saída ordenada do Reino Unido.

“Estamos ansiosos para trabalhar construtivamente com o primeiro-ministro Boris Johnson quando ele tomar posse, e para facilitar a ratificação do Acordo de Retirada e alcançar um Brexit ordenado”, declarou Barnier.

Já o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, parabenizou o seu colega “por se tornar o novo primeiro-ministro do Reino Unido. Ele será ótimo!”, tuitou.

Este resultado marca a chegada ao poder dos ‘brexiters’. Alguns deles jamais aceitaram que Theresa May, que se posicionou a favor da permanência do país na UE durante a campanha para o referendo de 23 de junho de 2016, tivesse sido escolhida para conduzir o divórcio.

Esta é uma vitória pessoal para o deputado conservador de 55 anos, cujas gafes, excessos e outras declarações intempestivas nos últimos trinta anos pareceram por vezes ameaçar os sonhos de grandeza que sempre cultivou.

O desafio à frente é enorme, sem equivalente para um líder britânico desde a Segunda Guerra Mundial: implementar o Brexit, sem exacerbar as profundas divisões sobre a questão, que se tornou o centro de gravidade da sociedade britânica.

Uma missão em que Theresa May falhou três vezes ao não conseguir que os deputados aceitassem o acordo de saída que ela concluiu em novembro com Bruxelas.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.