Congressistas apresentam moção para destituir presidente do Peru

Três partidos de direita apresentaram um pedido para remover Pedro Castillo do cargo

Pedro Castillo, o novo presidente do Peru. Foto: Karel Navarro/Peruvian Presidency/AFP

Pedro Castillo, o novo presidente do Peru. Foto: Karel Navarro/Peruvian Presidency/AFP

Mundo

Congressistas de três partidos de direita apresentaram nesta quinta-feira 24, no Parlamento peruano, um pedido para remover do cargo o presidente Pedro Castillo, que está há apenas quatro meses no poder, alegando uma suposta “incapacidade moral” para exercer suas funções.

 

 

Com 28 assinaturas, duas a mais que as exigidas para iniciar o trâmite no Congresso, a moção de “vacância” foi apresentada por congressistas dos partidos Avança País, Força Popular e Renovação Popular, que representam um terço do Parlamento.

Contudo, sua admissão para debate em plenário não está garantida, pois é preciso que 40% dos legisladores presentes aprovem a medida. Para remover o presidente, são necessários 87 votos de um total de 130 congressistas.

“Declara-se a permanente incapacidade moral do Presidente da República, o cidadão José Pedro Castillo Terrones, segundo o estabelecido no inciso 2 do artigo 113 da Constituição política do Peru”, diz o texto da moção, difundido na imprensa local e nas redes sociais.

O Parlamento unicameral peruano é dominado pela oposição de direita, enquanto o partido governista Peru Livre, de esquerda, é a primeira minoria com 37 votos.

A líder opositora e ex-candidata presidencial Keiko Fujimori tinha anunciado na sexta passada que seu partido, Força Popular, que tem a segunda maior bancada individual do Congresso (24 votos), depois do Peru Livre, apoiaria o pedido de destituição.

“No Força Popular, acreditamos que este governo vem demostrando uma incapacidade permanente para liderar o país”, escreveu Keiko no Twitter naquele dia.

A legenda de extrema-direita Renovação Popular também apoia a destituição de Castillo, e convocou uma manifestação para este sábado.

A possível destituição de Castillo vem sendo cogitada desde o dia seguinte à sua eleição, quando os partidos de direita denunciaram que houve fraude eleitoral, apesar do aval dado aos resultados pelas autoridades eleitorais e pelos observadores da Organização dos Estados Americanos e da União Europeia.

Castillo assumiu a Presidência em 28 de julho e seu mandato finaliza em julho de 2026. O presidente é alvo de críticas por sua falta de rumo e pelas constantes crises ministeriais. Em menos de 120 dias de gestão, ocorreram diversas mudanças de ministros e o governante enfrenta divisões em sua própria coalizão de apoio.

Além disso, a desaprovação da gestão do presidente chegou a 57%, de acordo com uma pesquisa do instituto Ipsos difundida em 14 de novembro.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem