Mundo

Comitê que investiga ataque ao Capitólio intima principais assessores de Trump

Assessores do ex-presidente são acusados de conspirar para tentar reverter a derrota de Trump nas eleições presidenciais de 2020

Foto: SAUL LOEB / AFP
Foto: SAUL LOEB / AFP
Apoie Siga-nos no

Os congressistas que investigam a invasão de 6 de janeiro ao Capitólio dos Estados Unidos decidiram nesta segunda-feira intimar assessores do ex-presidente Donald Trump, acusados de conspirar para tentar reverter a derrota do mesmo nas eleições presidenciais de 2020.

O congressista John Eastman está entre os assessores convocados para explicar seu papel nas conversas ocorridas no hotel Willard InterContinental nos dias próximos do ataque, em que uma multidão de apoiadores de Trump invadiu o Congresso para impedir a certificação da vitória do democrata Joe Biden.

Eastman é acusado, entre outras coisas, de ter escrito um memorando dizendo a Trump que o vice-presidente, Mike Pence, tinha autoridade para rejeitar os resultados em alguns estados e negar a vitória de Biden. Ele também teria organizado uma reunião em 2 de janeiro, na qual disse a cerca de 300 congressistas que era seu dever consertar “essa conduta ultrajante e garantir que não estejamos colocando na Casa Branca uma pessoa que não foi eleita”.

“Seus documentos e depoimento são diretamente relevantes para a investigação do seleto comitê, já que o senhor parece ter sido fundamental em aconselhar o presidente Trump que o vice-presidente Pence podia determinar que eleitores seriam reconhecidos em 6 de janeiro, um ponto de vista aparentemente compartilhado por muitos daqueles que atacaram o Capitólio”, aponta o comitê na intimação dirigida a Eastman.

Os outros intimados são principalmente assessores ou membros oficiais da campanha de Trump, responsáveis por apoiar a falsa tese de que a eleição presidencial foi roubada. Entre eles estão o ex-comandante da polícia de Nova York Bernard Kerik e o ex-porta-voz da campanha Jason Miller, presentes no hotel Willard em 5 de janeiro.

“O seleto comitê precisa saber todos os detalhes sobre seus esforços para reverter a eleição, incluindo com quem eles falavam na Casa Branca e no Congresso, que ligações tinham com comícios que se transformaram em tumultos, e quem pagou por tudo isso”, disse Bennie Thompson, presidente do comitê.

Essa é a primeira rodada de intimações emitidas pelo comitê desde que a Câmara dos Representantes pediu ao Departamento de Justiça para apresentar acusações criminais por desacato contra o aliado de Trump Steve Bannon, por contestar uma ordem para comparecer ao Congresso.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.