Mundo

Comissão Interamericana de Direitos Humanos denuncia veto eleitoral a Corina Yoris na Venezuela

Yoris foi nomeada pela liberal María Corina Machado para substituí-la nas eleições

Corina Yoris será a substituta da líder opositora venezuelana María Corina Machado. Foto: Federico Parra/AFP
Apoie Siga-nos no

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos pediu, nesta sexta-feira 5, que a Venezuela garanta a participação da oposição nas eleições presidenciais de julho e criticou a exclusão de Corina Yoris, apoiada pelo maior bloco opositor do país.

“Impedir a participação de algumas candidaturas opositoras no processo eleitoral confirma que o Poder Eleitoral não oferece garantias de independência e imparcialidade” e isso “anula a possibilidade de realizar eleições presidenciais livres, justas e competitivas”, protestou em comunicado.

Yoris foi nomeada pela liberal María Corina Machado para substituí-la nas eleições, já que ela não podia se candidatar devido à sua inabilitação imposta pela Controladoria, alinhada ao oficialismo.

Chegada a data limite, “Yoris não pôde formalizar sua inscrição em nome da Mesa da Unidade Democrática (MUD) devido à persistência” de “problemas técnicos”, aponta a CIDH.

“Essas ações restringem a oferta eleitoral, desencorajam a participação política e perpetuam um governo repressivo”, denuncia a Comissão, que faz parte da Organização dos Estados Americanos (OEA).

“O Estado da Venezuela deve garantir a participação política da oposição nas eleições presidenciais, sem arbitrariedades”, insiste.

Como consequência, “pede a adoção urgente de medidas para restabelecer a separação e independência do poder eleitoral, do poder judiciário e demais poderes públicos” para “reconstruir a democracia e a confiança nas instituições públicas”.

Esta semana, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, chamou de “circo” o alarde pelo veto a Yoris.

“O circo começou, a campanha começou, há nervosismo em Washington, há nervosismo nos sobrenomes da oligarquia, há nervosismo na direita regional, parem de nervosismo”, disse.

A exclusão de Yoris gerou fortes críticas não apenas dos Estados Unidos, mas também de Colômbia e Brasil, considerados aliados de Maduro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo