Com selfie, líder de El Salvador critica “formato obsoleto” da ONU

Bukele tem 38 anos e assumiu El Salvador há três meses com estilo de comunicação baseado nas redes sociais e discurso de 'nova política'

Nayib Armando Bukele, presidente de El Salvador, tira uma selfie antes de discurso na Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Foto: Timothy A. Clary/AFP

Nayib Armando Bukele, presidente de El Salvador, tira uma selfie antes de discurso na Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Foto: Timothy A. Clary/AFP

Mundo,Política

O presidente de El Salvador, Nayib Bukele, subiu à tribuna da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quinta-feira 26 e, antes de começar a falar, sacou o celular e fez uma selfie, denunciando “o formato obsoleto” da Assembleia Geral. Bukele, de 38 anos, assumiu a Presidência de seu país faz três meses e os primeiros 100 dias de seu governo se caracterizaram por seu estilo de comunicação baseado nas redes sociais e por um discurso no qual reiterou suas diferenças com governos anteriores.

Ao subir na tribuna, Bukele saudou a Assembleia, agradeceu a presença de sua esposa e de seu bebê e depois colocou a mão no bolso para pegar celular. Com o aparelho na mão, disse “um segundo” e fez uma selfie. “Muito mais pessoas verão essa selfie do que as que escutarão este discurso”, garantiu. “Espero que eu tenha saído bem”.

Bukele argumentou que “o mundo não está na Assembleia Geral”, mas está na internet porque “o mundo mudou”, enquanto o formato da ONU continua sendo o mesmo. O presidente salvadorenho disse ainda que “todos os discursos durante toda esta semana têm menos impacto do que o de um ‘youtuber’ famoso”.

“A ONU tem uma grande capacidade de convocatória, mas uma forma tradicional, o que torna sua capacidade de convocatória menor, e cada ano será menor”, previu.

A chegada de Bukele ao poder em El Salvador encerrou três décadas de bipartidismo no país, entre a direitista Aliança Republicana Nacionalista e a esquerdista Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional. Ele gosta de destacar sua diferença em relação à política tradicional e o seu estilo “millenial“.

Assista ao momento em que Bukele rompe o protocolo e tira uma selfie:

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem