Mundo

Cinco palestinos morrem pelo Exército israelense na Cisjordânia ocupada

De acordo com o Ministério da Saúde da Autoridade Palestina,

Conflito entre Israel e Hamas atinge a Cisjordânia. Foto: Jaafar Ashtiyesh/AFP
Apoie Siga-nos no

Cinco palestinos morreram na manhã deste domingo 29 por disparos do Exército israelense durante vários ataques militares na Cisjordânia ocupada, de acordo com o Ministério da Saúde da Autoridade Palestina.

Os cinco palestinos, entre os 29 e os 35 anos, morreram durante confrontos com o Exército de Israel. Dois deles morreram no acampamento de refugiados de Askar, em Nablus.

Os outros incidentes ocorreram em Beit Rima, a noroeste de Ramallah, no campo de refugiados de Dheisheh e em Tamun, ao norte da cidade de Jenin.

O Exército israelense disse que seus soldados “abriram fogo em resposta” depois de serem alvo de coquetéis molotov durante uma “operação antiterrorista” em Beit Rima.

Em Askar, ocorreram “trocas de tiros” entre homens armados palestinos e uma força israelense que entrou no terreno “para demolir a casa” de um ativista, segundo a mesma fonte.

O Exército também relatou confrontos armados com ativistas palestinos durante uma operação para prender palestinos procurados na região de Jenin, onde Tamoun está localizado.

Mais de 110 palestinos morreram na Cisjordânia em operações do Exército israelense desde o início, em 7 de outubro, da guerra na Faixa de Gaza entre o Hamas e Israel, desencadeada pelo ataque sem precedentes do movimento palestino contra Israel.

A situação na Cisjordânia, ocupada por Israel desde 1967, já era tensa antes desta guerra, com incursões periódicas das forças israelenses e uma intensificação de ataques de colonos israelenses à população palestina.

No sábado, um apanhador de azeitonas palestino de 40 anos foi assassinado por um colono israelense em um vilarejo próximo a um assentamento na região de Nablus, segundo o Ministério da Saúde e o prefeito da cidade.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo