Chefe do Estado-Maior dos EUA temia que Trump desse um golpe, revela livro

Na obra, Mark Milley compara o momento à tomada do Reichstag por Adolf Hitler, em 1933

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos. Foto: Mandel Ngan/AFP

Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos. Foto: Mandel Ngan/AFP

Mundo

O chefe do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, Mark Milley, temia no final do ano passado que o então presidente Donald Trump abolisse a Constituição para manter o poder. Em um novo livro, ele compara o momento à tomada do Reichstag por Adolf Hitler, em 1933.

Milley viu a recusa de Trump em aceitar a derrota para Joe Biden nas eleições de novembro de 2020 como um sinal de sua intenção de manter o poder de qualquer forma, de acordo com trechos do livro dos jornalistas Carol Leonnig e Philip Rucker, do jornal The Washington Post, divulgados nesta quinta-feira pelo jornal e pela CNN.

“Este é um momento como o Reichstag (…) O evangelho do Führer”, disse Milley a seus assessores do Pentágono, de acordo com os autores do livro, intitulado “I Alone Can Fix It”.

Em 1933, Hitler aproveitou um incêndio suspeito no Reichstag, o parlamento alemão, para suspender as liberdades civis e concentrar a autoridade em seu governo, preparando o cenário para a consolidação nazista.

Quando Trump convocou seus partidários para marchar em Washington em novembro, Milley, nomeado pelo presidente, expressou preocupação de que ele estava implantando “camisas marrons nas ruas”, indica o livro, aludindo à violenta milícia de Hitler.

Trump persistiu em afirmar, sem provas, que uma fraude roubou um segundo mandato dele, convocando outra manifestação em 6 de janeiro, quando seus apoiadores atacaram o Congresso.

Milley então planejou uma renúncia coletiva com outros altos funcionários para deixar claro que eles não aceitariam um golpe de Trump.

“Eles podem tentar, mas não terão sucesso”, disse Milley a seus assessores, de acordo com o livro. “Você não pode fazer isso sem os militares. Você não pode fazer isso sem a CIA e o FBI. Somos os caras com as armas”, acrescentou.

O livro, que deve ser lançado na próxima semana, é a visão mais perturbadora de como a recusa de Trump em aceitar a derrota foi percebida dentro do governo.

Milley já havia resistido ao desejo de Trump de convocar os militares para enfrentar os protestos anti-racismo no início do ano.

Isso o levou a desconfiar das motivações de Trump, especialmente após a eleição, quando o presidente começou a substituir altos funcionários, inclusive no Pentágono, por partidários próximos, embora ele tivesse apenas algumas semanas no cargo.

“Milley disse a sua equipe que acreditava que Trump estava provocando um motim, possivelmente esperando por uma desculpa para invocar a Lei de Insurreição e chamar os militares”, diz o livro.

Em um comunicado, Trump repetiu suas afirmações infundadas sobre fraude eleitoral, mas negou ter ameaçado um golpe.

Ele categorizou Milley como alguém que busca favores da “esquerda radical”.

“Se eu fosse dar um golpe, uma das últimas pessoas com quem gostaria de fazer isso seria o general Mark Milley”, disse Trump.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem