Caso Baldwin: Confira novos detalhes sobre o tiro fatal com arma cenográfica

O ator ensaiava uma cena e apontava uma arma cenográfica para a lente da câmera quando atirou na diretora de fotografia Halyna Hutchins

Astro de Hollywood, Alec Baldwin. 

Foto: Angela Weiss/AFP

Astro de Hollywood, Alec Baldwin. Foto: Angela Weiss/AFP

Mundo

O ator Alec Baldwin estava ensaiando uma cena em que apontava uma arma cenográfica para a lente da câmera quando atirou na diretora de fotografia Halyna Hutchins, segundo os novos detalhes da tragédia divulgados nesta segunda-feira 25.

 

 

 

O diretor do filme, Joel Souza, que estava em pé atrás de Hutchins quando a arma foi disparada, disse que ouviu algo que “soou como um chicote e depois um estalo forte”, diz o relatório da investigação preliminar consultado pela AFP.

A equipe estava gravando o filme de baixo orçamento “Rust” no estado do Novo México, sul dos Estados Unidos.

Baldwin estava “sentado em um banco de igreja no set, ensaiando”, informa o documento. O diretor olhava por cima do ombro da diretora de fotografia de 42 anos, que recebeu um tiro no peito na quinta-feira e foi declarada morta horas depois.

Após o disparo, a cineasta “colocou a mão na barriga” e disse que não sentia as pernas, afirmou o diretor, acrescentando que “começou a tropeçar para trás e foi ajudada a sentar no chão”.

O operador de câmera Reid Russell afirmou que o incidente não foi gravado porque o elenco e a equipe ainda estavam se preparando para a cena.

O assistente de direção Dave Halls disse que a arma estava “fria”, o que significa no jargão do cinema que não estava carregada com munição real.

No entanto, Souza disse que “não tem certeza” se a arma foi revisada novamente após uma pausa da equipe para almoçar.

 

Petição

A investigação, que segue em andamento, ainda não definiu a responsabilidade pelo tiro e nenhuma acusação foi registrada, mas o foco está voltado para quem manuseou a arma antes da tragédia.

Além do ator Baldwin, duas pessoas manusearam a arma, segundo Souza, de 48 anos e que recebeu alta pelas suas feridas.

A primeira, Hannah Gutiérrez Reed, é uma especialista em armas de cinema de 24 anos. Foi ela quem preparou a arma e a colocou em um carrinho com outras duas armas. Após o disparo, guardou a pistola, recolheu as cápsulas usadas e as entregou à polícia.

A segunda é o assistente Halls, que entregou a arma ao ator e o informou que não estava carregada.

Halls “não sabia que a arma estava carregada com munição real”, disse outro relatório de um oficial do Escritório do Xerife do Condado de Santa Fé.

Apesar de ser descrito como um profissional experiente, Halls possui uma reputação negativa por permitir práticas perigosas nas gravações, disse a rede NBC News no domingo.

Baldwin foi interrogado pelos detetives em Santa Fé e disse que está cooperando plenamente com a investigação.

Os novos detalhes surgiram enquanto amigos e colegas de Hutchins se reuniram no domingo para homenageá-la em uma vigília na qual expressaram sua angústia e raiva.

A tragédia abriu um debate sobre a segurança da equipe e o uso de armas nas gravações.

Uma petição no site change.org reuniu mais de 24.000 assinaturas para adoção da medida e Dave Cortese, democrata eleito para o Senado da Califórnia, anunciou que apoiará um projeto de lei para proibir munição real nos sets do estado.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem