Boris Johnson deve anunciar novo confinamento na Inglaterra

Estabelecimentos comerciais não essenciais serão fechados, mas creches, escolas e universidades permanecerão abertas

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. Foto: Jeremy Selwyn/AFP

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. Foto: Jeremy Selwyn/AFP

Mundo,Saúde

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, mudou a abordagem contra o coronavírus e pretende anunciar um segundo confinamento geral na Inglaterra a partir da próxima semana.

 

 

 

De acordo com a principal jornalista política da BBC, Laura Kuenssberg, Johnson deve conceder uma entrevista coletiva neste sábado, 31, ao lado de seus principais conselheiros científicos e médicos.

A entrevista teria sido antecipada depois que o jornal Times informou na sexta-feira, 30, que o primeiro-ministro cogitava anunciar um novo confinamento na Inglaterra a partir da próxima quarta-feira, 4.

Segundo o jornal, os estabelecimentos comerciais não essenciais serão fechados, mas creches, escolas e universidades permanecerão abertas.

Os bares, pubs e restaurantes também serão obrigados a interromper as atividades durante algumas semanas, um duro golpe para um setor muito afetado pela pandemia.

O tabloide Daily Mail afirmou que Johnson foi pressionado por seus conselheiros científicos a agir para frear o aumento do número de contágios agora na esperança de permitir que as famílias possam se reunir no Natal.

A pandemia já matou mais de 46 mil pessoas no Reino Unido, o país mais afetado da Europa. O Reino Unido está prestes a superar 1 milhão de casos positivos.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem