Mundo

assine e leia

Boric testa a área

O presidente eleito anuncia um ministério plural, mas acena ao mercado na área econômica

Mensagem. As mulheres serão maioria no governo, que acomoda uma ampla aliança à esquerda. “Mudança de rumo”, define Reimers, do Partido Comunista - Imagem: Javier Torres/AFP
Mensagem. As mulheres serão maioria no governo, que acomoda uma ampla aliança à esquerda. “Mudança de rumo”, define Reimers, do Partido Comunista - Imagem: Javier Torres/AFP
Apoie Siga-nos no

Gabriel Boric foi comedido ao apresentar os 24 integrantes de seu ministério, na ensolarada manhã da sexta 21 em Santiago. O púlpito improvisado e as cadeiras para um pequeno público, dispostas com distanciamento de tempos pandêmicos nos jardins do Museu Nacional de História Natural, a 5 quilômetros do Palácio de La Moneda, deram um ar informal ao evento. Em 33 minutos, o presidente eleito chamou cada um de seus auxiliares, com breves notas biográficas, e pronunciou um discurso objetivo e sem rodeios para externar os desafios de sua agenda para os próximos quatro anos.

Em contraste com a economia de palavras, a equipe de 14 mulheres e dez homens com idade média de 49 anos é em si eloquente. “Uma mudança de rumos, uma mudança geracional e uma mudança de comportamento”, afirma Pablo Reimers, dirigente do Partido Comunista do Chile, que participa da frente consagrada nas urnas. O ministério contempla nove agremiações, cinco delas integrantes da coligação Apruebo Dignidad, quatro convidadas após a vitória, além de um grupo de oito ministros sem filiação partidária. Alguns símbolos saltam aos olhos.

Gilberto Marigoni
Professor de Relações Internacionais da UFABC e membro do Observatório de Política Externa Brasileira

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.