Mundo

Bono, vocalista do U2, faz show em metrô de Kiev

Artista elogiou a luta da Ucrânia pela ‘liberdade’ e pediu que a paz chegue em breve

O cantor Bono ao lado de um soldado ucraniano e do guitarrista The Edge. Foto: Sergei Supinsky/AFP
Apoie Siga-nos no

O cantor irlandês Bono, do grupo U2, deu um show neste domingo 8 em uma estação de metrô de Kiev, durante o qual elogiou a luta da Ucrânia pela “liberdade” e pediu que a paz chegue em breve.

Da plataforma de uma estação de metrô da capital ucraniana, o lendário músico, de 61 anos, e o guitarrista The Edge apresentaram vários clássicos do grupo, como Sunday Bloody Sunday, Desire ou With or without you.

“O povo da Ucrânia não está apenas lutando por sua própria liberdade, está lutando por todos nós que amamos a liberdade”, disse o cantor.

Bono também fez referência aos conflitos que devastaram seu país, a Irlanda, e os problemas que foram desencadeados com seu poderoso vizinho britânico.

“Rezamos para que em breve desfrutem um pouco de paz”, acrescentou.

A apresentação surpresa de Bono – que ao longo de sua carreira colaborou em múltiplas causas, incluindo a luta contra a pobreza e a Aids – ocorreu quando as sirenes antiaéreas eram ouvidas em Kiev e no leste do país, onde os combates se intensificaram.

Em um momento do show, Bono convidou um soldado ucraniano a cantar uma versão de Stand by me. Entre o pequeno público que assistiu à apresentação estavam membros das forças armadas ucranianas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo