Mundo

Bolívia informa à União Europeia que investiga responsáveis pelo golpe de 2019

Apuração, diz governo, ‘permitirá identificar a responsabilidade dos atores nacionais e internacionais’ na ruptura da ordem constitucional

EVO MORALES, EX-PRESIDENTE DA BOLÍVIA - JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Apoie Siga-nos no

O governo boliviano disse à União Europeia nesta quinta-feira 30 que uma investigação em andamento determinará as responsabilidades locais e internacionais pelo que descreve como “ruptura da ordem constitucional” em 2019, depois de Bruxelas ter negado participação no episódio.

A chancelaria boliviana assinalou que “esses fatos se encontram em processo de investigação pelas autoridades competentes, o que permitirá identificar o grau de responsabilidade dos atores nacionais e internacionais que tenham participado”.

A UE declarou em Bruxelas que rejeita “firmemente” a acusação feita pelo presidente Luis Arce contra o ex-embaixador do bloco na Bolívia León de la Torre de ter participado de um golpe de Estado contra o ex-presidente Evo Morales, em 2019.

Arce, seu governo e seu partido, o Movimento ao Socialismo, afirmam que houve naquele ano uma ruptura constitucional protagonizada por militares, policiais e políticos de direita. O golpe teria contado com o apoio da UE, da Organização de Estados Americanos, da Igreja Católica e dos governos do argentino Mauricio Macri e do equatoriano Lenin Moreno.

A violência policial daqueles dias terminou com 37 mortos, segundo uma investigação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos. O grupo de investigação da CIDH concluiu que forças militares e policiais cometeram massacres contra civis, incluindo “execuções sumárias”.

A ex-presidenta de direita Jeanine Áñez, sucessora de Morales, está presa por esses fatos há mais de seis meses. O Supremo Tribunal de Justiça enviou ao Parlamento uma acusação contra ela por genocídio.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo