Bolívia informa à União Europeia que investiga responsáveis pelo golpe de 2019

Apuração, diz governo, 'permitirá identificar a responsabilidade dos atores nacionais e internacionais' na ruptura da ordem constitucional

EVO MORALES, EX-PRESIDENTE DA BOLÍVIA - JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

EVO MORALES, EX-PRESIDENTE DA BOLÍVIA - JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

Mundo

O governo boliviano disse à União Europeia nesta quinta-feira 30 que uma investigação em andamento determinará as responsabilidades locais e internacionais pelo que descreve como “ruptura da ordem constitucional” em 2019, depois de Bruxelas ter negado participação no episódio.

 

 

A chancelaria boliviana assinalou que “esses fatos se encontram em processo de investigação pelas autoridades competentes, o que permitirá identificar o grau de responsabilidade dos atores nacionais e internacionais que tenham participado”.

A UE declarou em Bruxelas que rejeita “firmemente” a acusação feita pelo presidente Luis Arce contra o ex-embaixador do bloco na Bolívia León de la Torre de ter participado de um golpe de Estado contra o ex-presidente Evo Morales, em 2019.

Arce, seu governo e seu partido, o Movimento ao Socialismo, afirmam que houve naquele ano uma ruptura constitucional protagonizada por militares, policiais e políticos de direita. O golpe teria contado com o apoio da UE, da Organização de Estados Americanos, da Igreja Católica e dos governos do argentino Mauricio Macri e do equatoriano Lenin Moreno.

A violência policial daqueles dias terminou com 37 mortos, segundo uma investigação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos. O grupo de investigação da CIDH concluiu que forças militares e policiais cometeram massacres contra civis, incluindo “execuções sumárias”.

A ex-presidenta de direita Jeanine Áñez, sucessora de Morales, está presa por esses fatos há mais de seis meses. O Supremo Tribunal de Justiça enviou ao Parlamento uma acusação contra ela por genocídio.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem