Bolívia cancela empréstimo adquirido com FMI por ex-presidente

Valor de 351 milhões de dólares, mais de 1 bilhão de reais, foi classificado como 'irregular' e cheio de 'imposições fiscais' ao país

Presidente eleito da Bolívia, Luis Arce, em cerimônia tradicional dos povos Tiwanaku (Foto: Movement for the Socialism (MAS) party / AFP)

Presidente eleito da Bolívia, Luis Arce, em cerimônia tradicional dos povos Tiwanaku (Foto: Movement for the Socialism (MAS) party / AFP)

Mundo

O Banco Central da Bolívia (BCB) anunciou, na quarta-feira 17, a devolução de 351 milhões de dólares (cerca de 1,09 bilhão de reais) adquiridos pelo país junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) na época da presidência interina de Jeanine Añez.

O banco alegou que o Instrumento de Financiamento Rápido do FMI, linha de crédito optada por Añez, condiciona a Bolívia a “uma série de imposições fiscais, financeiras, cambiárias e monetárias com o FMI”, o que tornaria vulnerável “a soberania e os interesses econômicos do país”.

Além disso, o empréstimo foi classificado como “irregular e oneroso” ao estado boliviano e já gerou custos extras na casa dos 24,3 milhões de dólares. Entre os encargos, figuram 19,6 milhões por variação do câmbio e 4,7 milhões em “comissões e interesses”, afirmou o BCB em nota.

Autoridades bolivianas ainda pretendem analisar a possibilidade de processar ex-governantes que fecharam o empréstimo milionário.

 

 

O embate é antigo. O Movimento ao Socialismo (MAS), partido do presidente Luís Arce e maioria no parlamento boliviano, rejeitou a lei que consolidaria o acordo, enviada ao legislativo em junho de 2020, por argumentar que não havia a documentação necessária para analisar os termos do acordo.

Arce e o MAS acusavam Añez de querer adquirir o valor a fim de implementar reformas neoliberais no país, conforme demandado pelo órgão internacional.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem