Mundo

Biden diz ter decidido resposta a ataque na Jordânia e quer evitar ‘guerra mais ampla’

O presidente norte-americano disse que responsabiliza o Irã pelo fornecimento de armas às pessoas que realizaram o ataque que matou três soldados americanos e feriu dezenas de militares

O presidente dos EUA, Joe Biden. Foto: Jim Watson/Pool/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente americano, Joe Biden, afirmou na terça-feira 30 que decidiu qual será a resposta ao ataque que matou três soldados em uma base dos Estados Unidos na Jordânia, mas reiterou que não busca uma guerra mais ampla no Oriente Médio.

Sob pressão crescente em um ano eleitoral, Biden disse que responsabiliza o Irã pelo fornecimento de armas às pessoas que realizaram o ataque que matou três soldados americanos e feriu dezenas de militares.

Biden, que estava em campanha na Flórida, já culpou as milícias apoiadas pelo Irã pelo primeiro ataque fatal às tropas dos Estados Unidos na região desde o início da guerra entre Israel e Hamas, em outubro.

“Sim”, respondeu Biden aos jornalistas na Casa Branca quando questionado se já tinha decidido a sua resposta, mas não deu mais detalhes sobre quais ações tomaria.

“Não acredito que precisemos de uma guerra mais ampla no Oriente Médio. Não é isso que procuro”, acrescentou quando questionado sobre os receios de que enfrentar o Irã possa provocar um conflito mais amplo.

A Casa Branca advertiu que provavelmente a resposta envolverá “múltiplas ações”.

Após a advertência de Washington, as Brigadas do Hezbollah, um influente grupo armado pró-iraniano no Iraque, anunciaram, nesta terça-feira, a “suspensão” de suas operações militares contra as tropas americanas, embora não haja sinais de que isto inibirá uma retaliação americana.

“Anunciamos a suspensão de nossas operações militares e de segurança contra as forças de ocupação para evitar qualquer mal-estar ao governo iraquiano”, escreveu o grupo pró-iraniano em seu site na internet.

Embora as Brigadas do Hezbollah não tenham reivindicado o ataque na Jordânia, o Pentágono assegura que a ação tem suas “impressões digitais”.

“Os atos falam mais do que as palavras”, afirmou o porta-voz do Pentágono, Pat Ryder, a respeito do comunicado do grupo.

“Pedimos aos grupos próximos do Irã que cessem seus ataques. Eles não o fizeram, portanto, vamos responder no tempo e na forma como nós decidirmos”, afirmou Ryder.

‘Múltiplas ações’

Em pleno ano eleitoral, no qual Biden tentará se reeleger, os opositores republicanos o pressionam para que adote medidas em represália ao Irã pelo ataque com drones contra uma base militar dos Estados Unidos perto da fronteira entre Jordânia e Síria, no domingo, e alguns pediram inclusive que “atinja” o Irã diretamente.

Mas o governo do democrata acredita que um ataque direto a solo iraniano poderia causar uma convulsão na região. Ações contra grupos armados apoiados pelo Irã e, possivelmente, contra instalações da Guarda Revolucionária iraniana em outros países surgem como alternativas mais prováveis, segundo a imprensa americana.

“É muito provável que se trate de uma abordagem escalonada, não de uma ação pontual, mas potencialmente de múltiplas ações”, explicou aos jornalistas o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, a bordo do avião presidencial Air Force One.

A morte dos soldados ocorre no momento em que a campanha para as eleições de novembro ganha tração.

Na próxima sexta-feira, o presidente vai participar da cerimônia de transferência dos corpos dos três militares em uma base aérea de Delaware, informou a Casa Branca.

O ex-presidente e candidato republicano Donald Trump afirmou em um comunicado que “o mundo virou um inferno” durante o mandato de Biden, a quem acusou de levar os Estados Unidos “diretamente para a Terceira Guerra Mundial”.

Washington também tenta não interferir nos diálogos para alcançar um novo acordo que permita um cessar-fogo e a libertação de reféns israelenses em Gaza.

Irã, ‘responsável’

Questionado se os iranianos seriam os responsáveis pelo ataque, Biden respondeu: “Sim, eu os considero responsáveis no sentido de que estão fornecendo armas às pessoas que o cometeram”.

O ataque na Jordânia fez escalar a tensão na região, já instável desde o ataque do Hamas em solo israelense, em 7 de outubro, e a retaliação devastadora de Israel em Gaza.

A Rússia, aliada do Irã, pediu calma no Oriente Médio nesta terça-feira.

“O nível de tensão é muito alarmante e, ao contrário, agora é o momento de tomar ações para desescalar as tensões”, disse à imprensa, em Moscou, Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin.

Teerã nega qualquer responsabilidade no ataque e refuta as acusações dos Estados Unidos de que apoiaria grupos que estariam por trás do ataque.

A China, que mantém fortes vínculos tanto com a Rússia quanto com o Irã, também alertou para as consequências de um “ciclo de retaliações” no Oriente Médio.

“Esperamos que todas as partes relevantes permaneçam calmas e se contenham para evitar entrar em um círculo vicioso de retaliações e que haja uma escalada maior das tensões na região”, disse, nesta terça, Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo