Battisti admite autoria de assassinatos na Itália, dizem jornais

As mortes seriam parte de uma “guerra justa”, segundo o criminoso

Cesare Battisti (Foto: José Cruz/ABr)

Cesare Battisti (Foto: José Cruz/ABr)

Mundo

Pela primeira vez, Cesare Battisti admitiu envolvimento em quatro assassinatos durante interrogatório feito na prisão pelo procurador Alberto Nobili, responsável pelo grupo antiterrorista da cidade italiana de Milão, afirmam jornais italianos.

Battisti, capturado em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, depois de fugir do Brasil, sempre negou participação nos homicídios e se declarava vítima de perseguição política. Criminoso comum, o italiano aderiu mais tarde ao grupo Proletários Armadas pelo Comunismo.

Segundo o procurador-geral de Milão, Francesco Greco, Battisti admitiu “suas responsabilidades” em quatro assassinatos, no ferimento de três indivíduos e em muitos roubos feitos pela formação terrorista que integrava nos anos 1970.

O criminoso declarou ter matado dois alvos e ser o mandante de outros dois homicídios, informou o jornal La Repubblica.

Leia também: Mino Carta: O caso Battisti, do asilo à extradição

As mortes, teria afirmado, fariam parte de uma “guerra justa”. Por quase 40 anos, Battisti ficou foragido e morou na França e no Brasil. Em 2009, o ex-presidente Lula concedeu refúgio, mas a decisão foi revista em dezembro do ano passado por Michel Temer, que autorizou a extradição. O italiano fugiu do País, mas foi preso em janeiro na Bolívia.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem