Barco naufraga no Canal da Mancha e pelo menos 31 migrantes morrem afogados

O caso foi descrito como uma 'tragédia' pelo primeiro-ministro francês, Jean Castex; é o acidente com mais mortes na região desde 2018

FOTO: BEN STANSALL/AFP

FOTO: BEN STANSALL/AFP

Mundo

Um barco que atravessava o Canal da Mancha com cerca de 50 migrantes naufragou nesta quarta-feira 24. Ao menos 31 pessoas morreram afogadas e tiveram os corpos resgatados na costa de Dunquerque (ao norte da França).

 

 

O naufrágio foi descrito como uma “tragédia” pelo primeiro-ministro francês, Jean Castex. Este é o acidente com maior número de mortos na região desde 2018, quando tiveram início as travessias clandestinas de migrantes deixando a França pelo porto de Calais para chegarem ao Reino Unido pelo mar.

“O naufrágio na Mancha é uma tragédia. Meus pensamentos vão aos numerosos mortos e feridos, vítimas de coiotes criminosos que exploram o sofrimento e a miséria alheia”, disse Castex em um comunicado nas redes sociais.

O premiê britânico, Boris Johnson, disse estar chocado, revoltado e profundamente triste com a morte dos migrantes e convocou uma reunião de crise para tratar sobre o acidente.

Do lado francês, o ministro do Interior, Gérald Darmanin, foi para Calais acompanhar a situação e visitar os sobreviventes.

Pescador encontrou corpos

De acordo com o jornal local La Voix du Nord, as equipes da associação de socorro marítimo SNSM foram chamadas para ajudar uma embarcação com problemas no motor enquanto atravessava o Canal da Mancha por volta das 5h. No entanto, os tripulantes decidiram seguir viagem.

Os corpos dos migrantes afogados foram encontrados por um pescador que, por volta das 14h, alertou a polícia.

Os trabalhos de resgate começaram ao longo da tarde, com três navios e dois helicópteros, de acordo com a secretaria de polícia marítima da Mancha.

Diversos migrantes inconscientes foram retirados do mar ainda com vida e levados a hospitais da região. As autoridades ainda não divulgaram o número total de vítimas resgatadas. A estimativa é de que o barco levasse cerca de 50 pessoas.

A tragédia desta quarta-feira é uma triste página de uma crise humanitária que há muito se desenha na região do porto de Calais.

Migrantes bloqueados em crise entre França e Reino Unido

Com o aumento da fiscalização da imigração no túnel do Canal da Mancha, desde o final de 2018 uma rota clandestina de travessia se desenvolveu entre o porto de Calais e a Inglaterra. A rota, no entanto, é considerada de alto risco por causa do tráfego pesado de navios.

De acordo com as autoridades marítimas francesas, neste ano, cerca de 15.400 migrantes tentaram esta travessia até 31 de agosto e foram devolvidos para a França. Em 2020, foram 9.500 refugiados, contra 2.300 em 2019 e 600 em 2018.

Esse fenômeno tem gerado crescentes tensões entre França e Reino Unido. Londres acusa Paris de não fazer o suficiente para evitar o fluxo de migrantes clandestinos.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem