Mundo

Bachelet pede a Conselho de Segurança que proteja direitos das mulheres no Afeganistão

Bachelet pediu que ‘todos os Estados usem sua influência com os talebans para promover o respeito aos direitos humanos fundamentais’

Afeganistão entra em nova fase política após retomada do Taleban. Foto: Bulent Kilic/AFP
Afeganistão entra em nova fase política após retomada do Taleban. Foto: Bulent Kilic/AFP
Apoie Siga-nos no

A alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu nesta terça-feira (18) ao Conselho de Segurança que “garanta que os autores de violações e abusos” no Afeganistão, particularmente contra mulheres e meninas, “sejam responsabilizados”.

“Diante de uma catástrofe humanitária em uma escala sem precedentes, o país precisa que todo o seu povo se reúna. A negação dos direitos humanos de mulheres e meninas está prejudicando enormemente a economia e o país como um todo”, afirmou durante uma reunião de vídeo com o Conselho de Segurança.

A discussão aconteceu durante um encontro virtual convocado por iniciativa da Noruega para desenvolver um debate sobre a violência contra a mulher no país.

“Faço um chamado adicional aos Estados que criem caminhos seguros e programas de reassentamento para as defensoras dos direitos humanos das mulheres afegãs e que encerrem imediatamente a deportação de mulheres afegãs em busca de proteção”, acrescentou.

Desde agosto passado, com o retorno do Taleban ao poder, “muitas defensoras de direitos humanos, jornalistas, advogados e juízas afegãs foram forçadas a fugir ou se esconder, muitas vezes após repetidas ameaças. Muitas perderam todas as suas fontes de renda”, acrescentou a ex-presidente chilena.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.