Mundo

Aumenta a pressão para que a Suíça adote as sanções internacionais contra a Rússia

A Rússia é apenas o 23º parceiro comercial da Suíça, mas os bancos do país estão entre os favoritos das grandes fortunas russas

Soldados ucranianos posicionados na cidade de Shchastia, no leste do país.

Foto: Anatolii Stepanov / AFP
Soldados ucranianos posicionados na cidade de Shchastia, no leste do país. Foto: Anatolii Stepanov / AFP
Apoie Siga-nos no

Aumenta a pressão sobre a Suíça, um importante centro financeiro cobiçado pelos oligarcas russos, para se juntar de modo mais firme às sanções internacionais impostas pelos ocidentais à Rússia devido à invasão da Ucrânia.

A pressão veio primeiro das ruas. No sábado, entre 10 e 20 mil pessoas se manifestaram na capital, Berna, e milhares de outras em diferentes cidades para pedir ao Conselho Federal, o órgão executivo suíço, que se envolva mais.

“É irresponsável que o Conselho Federal não congele imediatamente os bilhões em poder da Rússia”, denunciou o copresidente do Partido Socialista, Cédric Wermuth.

O partido dos Verdes também pede que as importações de petróleo e gás russos sejam interrompidas e que o país seja excluído do sistema de conexão interbancária Swift.

Ainda na sexta-feira, o presidente suíço, Ignazio Cassis, deixou claro que desejava manter o caminho da moderação em relação a Moscou, ainda que as sanções, que se baseiam nas da UE, tenham sido endurecidas.

Pária financeiro

Porém, desde sábado à noite as cartas se embaralharam de novo. A Comissão Europeia, França, Alemanha, Itália, Reino Unido, Canadá e Estados Unidos anunciaram medidas econômicas sem precedentes, transformando Moscou em um “pária” financeiro, segundo um alto funcionário americano.

Vários bancos suíços não poderão mais acessar o sistema Swift, que facilita a transferência de fundos internacionais, e os ativos do banco central russo serão congelados, o que terá consequências econômicas significativas no país. O G7 também decidiu visar a riqueza dos oligarcas sancionados.

Todas essas decisões lançam uma dura luz sobre como a Suíça agirá, que seu status de neutralidade não a protegerá da necessidade de dar explicações.

Segundo o jornal Blick am Sonntag, os sete membros do Conselho Federal terão uma reunião de emergência na segunda-feira e os debates poderão ser intensos. O encontro não foi oficialmente confirmado.

O embaixador ucraniano na Suíça, Artem Rybchenko, pediu no jornal SonntagsZeitung o congelamento dos ativos dos membros do governo russo, como preveem as sanções da UE.

A Rússia é apenas o 23º parceiro comercial da Suíça, mas os bancos do país estão entre os favoritos das grandes fortunas russas. E vários oligarcas russos também têm interesses em grandes empresas suíças.

Além disso, 80% dos negócios russos de petróleo e gás ocorrem na Suíça, segundo estimativas citadas na imprensa do país.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.