Mundo

assine e leia

Atrás do biombo

A Otan virou a desculpa para as nações que não querem interferir de forma mais incisiva na invasão da Ucrânia

Teatro. As forças da organização treinam, enquanto esperam os países associados decidirem se querem ou não uma solução rápida para a guerra - Imagem: Ministério da Defesa da França/OTAN
Teatro. As forças da organização treinam, enquanto esperam os países associados decidirem se querem ou não uma solução rápida para a guerra - Imagem: Ministério da Defesa da França/OTAN
Apoie Siga-nos no

Um escudo dissuade um inimigo e significa determinação. Também é algo para se esconder a fim de evitar uma briga. Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, a Organização do Tratado­ do Atlântico Norte tem sido usada para ambos os fins por políticos norte-americanos e europeus de graus de valor variados. Mas e se o escudo estiver quebrado ou fundamentalmente defeituoso? As potências ocidentais podem estar prestes a descobrir. A cúpula da Otan em Madri neste mês é anunciada como sua reunião “transformadora” mais importante desde a era da Guerra Fria. Espere muitas autocongratulações sobre como a aliança de 30 países se uniu para proteger o “mundo livre” da agressão russa. Grandes pontos de interrogação permanecem, no entanto.

Na Polônia, em março, Joe Biden, presidente dos Estados Unidos e chefe de fato da organização, deu o tom. Ele prometeu defender “cada centímetro do território da Otan com toda a força de nosso poder coletivo” – mantendo-se fora da guerra. Meses depois, Biden continua irritantemente vago sobre os resultados em longo prazo. Embora muitos aliados tenham se reforçado, importantes integrantes europeus da Otan se escondem atrás de uma aliança que antes desprezavam e negligenciavam. Eles a usam para evitar compromissos nacionais dispendiosos com Kiev que possam irritar Moscou.

Simon Tisdall

Tags: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.