Atleta olímpico ugandense está desaparecido no Japão

O atleta foi visto pela última vez por seus compatriotas pouco antes da meia-noite de sexta-feira, relatam as autoridades locais

(Foto: Fabrice COFFRINI / AFP)

(Foto: Fabrice COFFRINI / AFP)

Mundo

Um atleta olímpico de Uganda foi declarado desparecido, após se verificar que não estava no hotel da cidade japonesa de Izumisano, que hospeda a delegação ugandense – anunciou um porta-voz da prefeitura.

Pouco depois do meio-dia de sexta-feira 16, as autoridades da cidade informaram a polícia sobre a ausência do levantador de pesos Julius Ssekitoleko, de 20 anos, que não se apresentou para fazer o teste diário de detecção da covid-19.

O atleta foi visto pela última vez por seus compatriotas pouco antes da meia-noite de sexta-feira, relatam as autoridades locais, que alertaram a polícia sobre o desaparecimento.

Segundo o jornal de Uganda Daily Monitor, Ssekitoleko estava em uma lista de espera para os Jogos, mas recentemente perdeu a esperança de participar devido às cotas olímpicas. Por isso, deveria retornar para seu país em breve.

Ssekitoleko fez parte do primeiro grupo de nove atletas, treinadores e dirigentes de Uganda que chegaram ao Japão em meados de junho. Nele, duas pessoas, que não eram atletas, testaram positivo para covid-19 pouco depois. Todo grupo foi imediatamente posto em quarentena.

O presidente da Federação de Halterofilismo de Uganda, Salim Musoke Ssenkungu, disse à AFP que o atleta treinou “muito” para sua primeira grande competição internacional, mas que esta semana foi informado de que não poderia competir.

“Ele estava participando da categoria até 61 kg, mas o aconselhamos a passar para os 67 kg por questões administrativas”, disse Ssenkungu.

“Se alguém vem ao Japão pensando que vai participar da competição e recebe más notícias, obviamente ficará desapontado”, acrescentou.

Embora recentemente tenha começado a competir na categoria sênior, Ssekitoleko tem experiência internacional significativa, com competições na Costa do Marfim, Quênia e Egito e em maio passado conquistou o bronze no Campeonato Africano em Nairóbi.

Começou a treinar em um ginásio em Kampala, capital do país, quando tinha apenas 15 anos e depois de mostrar grande potencial foi para o Kisugu Unified Gym.

As autoridades japonesas adotaram drásticas restrições para todos os participantes dos Jogos de Tóquio (de 23 de julho a 8 de agosto), no momento em que a crise sanitária se agrava no país.

Os atletas são submetidos a testes diários, e seus deslocamentos estão limitados aos locais de alojamento, centros de treinamento e instalações de competição.

Quase todas as provas serão disputadas a portas fechadas, conforme decisão anunciada pelos organizadores na semana passada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem