Mundo

Ativista saudita de direitos humanos é condenada a quase seis anos de prisão

Militante se encontra em prisão provisória há mais de dois anos

Militante que defende direitos humanos é presa na Arábia Saudita. Foto: FACEBOOK/AFP
Militante que defende direitos humanos é presa na Arábia Saudita. Foto: FACEBOOK/AFP
Apoie Siga-nos no

A ativista saudita de direitos humanos Loujain al Hathloul foi condenada a cinco anos e oito meses de prisão nesta segunda-feira 28 por um tribunal especializado em casos antiterroristas – informou a imprensa saudita.

Loujain al Hathloul foi declarada culpada de “diversas atividades proibidas pela lei antiterrorista”, relatou o veículo on-line Sabq.

Segundo veículos da imprensa saudita, a pena pode ser suspensa com dois anos e dez meses, “sob a condição de que não cometa um novo delito nos próximos três anos”.

A militante se encontra em prisão provisória há mais de dois anos, período que foi levado em consideração na sentença pronunciada, informou a mídia saudita, citando a decisão do tribunal.

Por este motivo, a ativista pode ser “libertada em dois meses”, tuitou sua irmã Lina.

Outra fonte próxima à família e o grupo opositor saudita ALQST, com sede em Londres, disseram que ela será solta antes de março.

Já a diplomacia francesa pediu, hoje, “sua rápida libertação” às autoridades sauditas, declarou um porta-voz adjunto do Ministério das Relações Exteriores da França.

Loujain al Hathloul foi detida em maio de 2018, junto com outros ativistas, pouco antes de o reino suspender a proibição de dirigir para as sauditas, uma reforma pela qual essas mulheres militavam.

Segundo o ministro saudita das Relações Exteriores, Faysal bin Farhan al-Saud, Loujain al Hathloul, 31, é acusada de ter estado em contato com Estados “hostis” ao reino e de ter transmitido informações confidenciais.

Sua família afirma, porém, que o governo saudita não forneceu qualquer prova tangível para apoiar essas acusações.

Em 25 de novembro, a família da ativista anunciou que seu caso havia sido transferido por um juiz da corte penal de Riade para um tribunal encarregado de casos de terrorismo.

Este tribunal penal especializado foi criado em 2008 para julgar os casos de terrorismo. Desde então, contudo, tem servido para julgar presos políticos, conforme denúncia de organizações de defesa dos direitos humanos.

A Arábia Saudita é amplamente criticada no Ocidente por seu balanço nesta área.

Frágil estado físico

Loujain al Hathloul havia iniciado uma greve de fome na prisão, em 26 de outubro, mas a interrompeu duas semanas depois, segundo sua família e a ONG Anistia Internacional.

“O estado de ânimo de Loujain está bom, mas sua condição física continua sendo frágil”, disse sua irmã, Alia al Hathloul, naquele momento.

Loujain, uma militante fervorosa pela causa das mulheres sauditas, envolveu-se apenas em atividades pacíficas no reino ultraconservador.

Há tempos, organizava campanhas pelo direito das mulheres sauditas de dirigirem e pelo fim da tutela que as mulheres à mercê total dos homens.

Formada pela Universidade canadense de Columbia Britânica (UBC), ela foi detida por “tentativa de desestabilização do reino”, pouco antes de a proibição das sauditas poderem dirigir ser suspensa.

A mídia pró-governo descreve essas ativistas como “traidoras” por terem mantido contato com diplomatas e com ONGs estrangeiras.

A família de Hathloul afirma que, durante sua detenção, ela foi vítima de assédio sexual e de tortura. A ativista relatou, de acordo com sua família, que o ex-conselheiro real Saud al-Qahtani ameaçou estuprá-la e matá-la, o que as autoridades negam.

Não é a primeira vez que essa mulher, natural de Al-Qassim, uma região conservadora localizada no centro da Arábia Saudita, é presa.

No final de 2014, ela foi detida por tentar entrar na Arábia Saudita, dos Emirados Árabes Unidos, dirigindo um carro. Foi solta 73 dias depois, após uma campanha internacional.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.