Atentados contra cristãos no Paquistão deixaram 81 mortos

Mundo

Pelo menos 81 pessoas morreram e 131 ficaram feridas nos atentados suicidas deste domingo 23 contra uma igreja cristã em Peshawar, noroeste do Paquistão, segundo um novo balanço divulgado por fontes médicas. O ataque contra a Igreja de Todos os Santos de Peshawar foi reivindicado pelos talibãs paquistaneses, que anunciaram a criação de uma nova facção, a Junood ul-Hifsa, para matar estrangeiros e vingar os ataques de drones americanos contra a Al-Qaeda nas áreas tribais próximas da fronteira com o Afeganistão.

O médico Arshad Javed, do hospital Lady Reading de Peshawar, informou à AFP que o número de mortos chegou a 81 durante a noite e o de feridos a 131. Entre as vítimas fatais estavam 37 mulheres. O balanço anterior do ministro do Interior, Chaudhry Nisar Ali Khan, citava 78 mortos e mais de 100 feridos.

“Cometemos o atentado suicida na igreja de Peshawar e continuaremos atacando os estrangeiros e não muçulmanos até que parem os ataques de drones”, disse por telefone à AFP Ahmad Marwat, porta-voz do grupo.

Cristãos protestaram em diferentes cidades do Paquistão, incluindo Karachi e Faisalabad, para contra a violência e para pedir mais proteção das autoridades.

Em Islamabad, mais de 100 manifestantes bloquearam a principal avenida da cidade durante várias horas nesta segunda-feira.

Este foi um dos ataques mais violentos contra os cristãos no Paquistão, comunidade que representa 2% da população do país de 180 milhões de habitantes, em sua maioria muçulmanos.

*Com informações da AFP Mobile.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem