Mundo

Argentina: Audiência com Macri, acusado de espionagem, é suspensa

O ex-presidente faltou às duas intimações anteriores: a 1ª, por estar no exterior; e a 2ª, por ter solicitado o impedimento do juiz

O ex-presidente da Argentina Mauricio Macri. Foto: Reprodução/Facebook
O ex-presidente da Argentina Mauricio Macri. Foto: Reprodução/Facebook
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente argentino Mauricio Macri compareceu pela primeira vez à Justiça, nesta quinta-feira 28, para prestar uma declaração em um caso por suspeita de espionagem de familiares dos 44 tripulantes mortos no naufrágio de um submarino militar em 2017, durante seu governo. A audiência, porém, precisou ser suspensa porque o ex-presidente não foi eximido da obrigação de guardar segredos de Estado, como explicou seu advogado Pablo Lanusse.

“Descobrimos hoje que o tribunal não conta com sigilo de inteligência para que Macri possa testemunhar”, disse Lanusse ao deixar o tribunal.

“O juiz (Martín) Bava tem demonstrado sua animosidade contra Macri e sua pretensão de querer processá-lo antes das eleições”, acrescentou, referindo-se às eleições parlamentares de meio de mandato, marcadas para 14 de novembro.

Não há informações de quando a audiência será retomada.

Macri faltou às duas intimações anteriores: a primeira, por estar no exterior; e a segunda, por ter solicitado o impedimento do juiz Martín Bava.

Acompanhado por alguns simpatizantes e por ex-colaboradores de seu governo (2015-2019), Macri chegou à localidade de Dolores (200 km ao sul de Buenos Aires) uma hora e meia antes de sua audiência.

“Estamos tranquilos. Sabemos o que fizemos e nossas boas intenções”, disse Macri a seus seguidores, aos quais pediu que trabalhem por “uma cultura do poder sadia, que inclua uma justiça imparcial”.

A pequena mobilização de apoio a Macri se dá em plena campanha para as eleições parlamentares de meio de mandato, previstas em 14 de novembro. Nelas, a coalizão de centro-direita do ex-presidente – Juntos pela Mudança – espera obter uma votação significativa.

Espionagem

O submarino “ARA San Juan” da Marinha Argentina, um TR-1700 de fabricação alemã com 66 metros de comprimento, desapareceu em novembro de 2017 com 44 pessoas a bordo, quando patrulhava as águas argentinas. A embarcação foi encontrada um ano depois, a 900 metros de profundidade, com a ajuda de marinhas de outros países.

A denúncia sustenta que os familiares dos soldados mortos no naufrágio do “ARA San Juan” foram alvo de escutas telefônicas e de outras interceptações durante o ano em que tentavam descobrir o que aconteceu.

“Esperamos que Macri cumpra a lei e se apresente como cabe e que, em vez de tentar uma defesa absurda, nos diga a verdade sobre quais foram os motivos para nos espionar ilegalmente”, disse à AFP Luis Tagliapietra, pai de um dos marinheiros e advogado demandante neste caso.

“Eu o denunciei em março de 2018. Naquele momento, não conseguimos avançar, porque era muito difícil”, afirmou Luis nesta quinta, na entrada do tribunal de Dolores. “Está provadíssimo que ele espionava a gente e que isso era ilegal. Tomara que nos digam o que motivou isso”, completou.

RFI

RFI
Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.