Após detectar um novo caso de Covid-19, Nova Zelândia retoma confinamento em sua maior cidade

As novas restrições em Auckland devem durar no mínimo sete dias e são anunciadas menos de duas semanas depois de um lockdown de três dias

Jacinda Ardern. Foto: MICHAEL BRADLEY/AFP

Jacinda Ardern. Foto: MICHAEL BRADLEY/AFP

Mundo,Saúde

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, ordenou neste sábado 27 que a maior cidade do país, Auckland, volte a adotar o confinamento após a detecção de um novo caso de Covid-19.

 

 

As novas restrições em Auckland devem durar no mínimo sete dias e foram anunciadas menos de duas semanas depois de um confinamento de três dias na cidade.

A partir de domingo, os moradores da cidade de 1,7 milhão de habitantes terão de permanecer em suas casas, exceto para trabalhar ou fazer compras de primeira necessidade. Escolas e estabelecimentos comerciais não essenciais permanecerão fechados.

O restante do país está submetido a restrições, como o limite de concentrações ao máximo de 100 pessoas e a obrigação do uso de máscara no transporte público.

Ardern anunciou neste sábado que um novo caso de coronavírus confirmado representa uma “causa de preocupação”, pois trata-se de uma pessoa contagiosa há uma semana que não estava em isolamento.

O confinamento anterior, o primeiro em quase seis meses em Auckland, foi adotado após a descoberta de três casos na cidade.

Desde então, várias pessoas com um vínculo comum com uma escola do sul da cidade apresentaram sintomas. Ardern disse que o caso confirmado não pode ser diretamente vinculado a outros testes positivos registrados há duas semanas.

A primeira-ministra considera que a epidemia avança porque as pessoas não se isolam como deveriam.

O balanço da Nova Zelândia na luta contra a Covid-19 é elogiado pela comunidade internacional. Vinte e seis pessoas morreram vítimas da doença no país de cinco milhões de habitantes.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem